Ídolos

Sócrates foi líder da Democracia Corintiana

Quando chegou, era médico cujo futebol se caracterizava pela habilidade, inteligência e toques de calcanhar

Por: Celso Unzelte - Atualizado em

Sócrates Corinthians_2163a
(Foto: J. B. Scalco)

Quando chegou do Botafogo de Ribeirão Preto, com 24 anos e meio, o doutor Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira, médico recém-formado cujo futebol se caracterizava pela habilidade, inteligência e toques de calcanhar, encontrou um Corinthians livre da responsabilidade de conquistar um título, mas ainda excessivamente pressionado pelos gritos da torcida.

Tratou, então, de mudar o Timão. Dentro de campo, com seus gols decisivos e um futebol cerebral. Fora dele, reivindicando maior liberdade e participação para os atletas, tornando-se o líder intelectual da Democracia Corintiana. Campeão paulista em 1979, bi em 1982 e 1983, Sócrates foi o único jogador corintiano convocado para a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1982, disputada na Espanha, e um de seus principais nomes. Vendido para a Fiorentina, da Itália, em 1984, jogou ainda no Flamengo e no Santos e defendeu a seleção também na Copa de 1986, no México.

Nome: Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira

Nascimento: Belém (PA), 19/2/1954

Posição: meia-direita

Período: 1978 a 1984

Jogos: 298 (153 vitórias, 90 empates, 55 derrotas)

Gols: 172

Títulos pelo Corinthians: três Paulistas (1979 e 1982/83)

Fonte: VEJA SÃO PAULO