Especial

O mapa da Ceagesp: saiba quando e onde ocorrem as feiras mais bacanas

Exploramos a Companhia de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo, que comercializa diariamente cerca de 10 000 toneladas de frutas, legumes, verduras, pescados e flores

Por: Sophia Braun - Atualizado em

Cerca de 700 000 metros quadrados. Essa é a área ocupada pela Companhia de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo, na Vila Leopoldina. Resultado da fusão entre o Centro Estadual de Abastecimento (Ceasa) e a Companhia de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Cagesp), em 1969, a Ceagesp comercializa diariamente uma média de 10 000 toneladas de frutas, legumes, verduras, pescados e flores, que abastecem mais da metade da grande São Paulo.

+ Confira o nosso mapa e localize-se dentro da Ceagesp

A maioria dos restaurantes e hortifrutis da cidade faz compras ali, sempre em busca de produtos frescos e preços baixos. Mas o sistema de atacado só funciona quando as quantidades desejadas são realmente grandes e se tem a logística adequada para percorrer quarenta pavilhões.

Mais práticos para o consumidor final são os varejões, organizados aos moldes de uma feira livre. Nas manhãs de sábado e domingo, o Mercado Livre do Produtor (MLP), enorme galpão com aproximadamente 20 mil metros quadrados, reúne mais de 1 000 barracas de frutas, legumes, hortaliças, pescados, ovos, aves e cereais, entre outros itens. Esse formato permite que o público comum tenha acesso a produtos de qualidade e muitas vezes difíceis de achar, sem gastar a fortuna cobrada por empórios e mercados finos.

Ceagesp - varejão (quarta-feira)
O varejão noturno: cerca de 400 barracas (Foto: Lilian Uyema)

Às quartas, ocorre o chamado varejão noturno, embora funcione das 14h às 22h. Trata-se de uma versão menor da feira dos fins de semana, com 400 estandes, e preços ligeiramente mais salgados. Um dos diferenciais são as barracas de comidinhas de rua, entre elas ,sanduíche de pernil, acarajé, espetinhos e pastel.

+ As melhores comidinhas do varejão noturno

Além do horário de funcionamento estendido e do estacionamento gratuito, confira abaixo outros três pontos altos do varejão noturno:

■ Salada pronta: a barraca Verduras Wakuda vende alface já lavada e embalada, além de kits com os ingredientes para fazer tabule e yakisoba. Há cebolinha picada. Fica na extremidade da feira, perto dos cereais, dos temperos e das flores.

■ Barraquinha de plantas: além de vender flores em vaso ou buquê, oferece temperos como manjericão ou alecrim. Fica no fim do varejão, perto do estacionamento.

■ Pagamento: grande parte dos estandes aceita cartões de crédito e débito.

Ceagesp - feira de flores
A feira de flores: terças e sextas pela manhã (Foto: Lilian Uyema)

FLORES

Às terças e sextas pela manhã, das 5h às 10h30, o Mercado Livre do Produtor (MLP), enorme galpão com mais de 20 000 metros quadrados, reúne cerca de 1 000 produtores de flores, plantas, gramas e mudas. Há ainda uma área onde é possível comprar acessórios para jardinagem e artesanatos.

Ceagesp - pescados
Os pescados: vendidos em atacado (Foto: Lilian Uyema)

PESCADOS

O Frigorífico de São Paulo, onde fica, não por acaso, o Pátio da Sardinha, abriga a segunda maior feira atacadista de pescados da América Latina, atrás apenas do Chile. De terça a sexta, das 2h às 6h, é possível encontrar cerca de 100 espécies de peixes e frutos do mar, vendidos apenas em atacado. Se a ideia for comprar quantidades para o dia a dia, os varejões são mais indicados.

+ Ceagesp promove festival de pescados até novembro

Fonte: VEJA SÃO PAULO