Guia de Compras

Antes de embarcar

Dúvidas comuns de quem se prepara para uma viagem aos Estados Unidos

Por: Alvaro Leme (com colaboração de Anna Carolina Oliveira, Bruna Gomes e Sophia Braun) - Atualizado em

a sempre movimentada Times Square, lugar em que Nova York realmente nunca dorme
A sempre movimentada Times Square, lugar em que Nova York realmente nunca dorme (Foto: Mario Rodrigues)

Brasileiros ainda precisam de visto americano?

Sim, embora existam discussões a respeito de derrubar a exigência de visto para brasileiros. Para solicitar o seu, primeiro é necessário pagar uma taxa de R$ 38,00, via cartão de crédito, débito em conta ou boleto bancário do Citibank. A quantia dá direito a informações e agendamento da entrevista, que deve ser marcada em endereços consulares dos Estados Unidos em Brasília, no Recife, no Rio de Janeiro ou em São Paulo. Às vezes, é preciso esperar até três meses. Depois, será necessário pagar mais US$ 131,00 pelo visto de turismo (B2). Acesse o site visto-eua.com.br para mais detalhes.

+ Direto às melhores ofertas

+ Do avião às compras

O que devo fazer se perder meu passaporte?

Procure a embaixada ou o consulado brasileiro. O ideal é levar anotados o telefone e o endereço, por garantia. Como medida de segurança, recomenda-se que o viajante brasileiro carregue cópias das páginas de identificação do passaporte (se estiverem autenticadas em cartório, melhor ainda), bem como outro documento com foto. Isso ajudará, se for necessário emitir segunda via ou uma autorização de retorno ao Brasil.

Passaportes
(Foto: Divulgação)

Qual é a melhor época do ano para viajar?

As variações de temperatura conforme as estações do ano são muito perceptíveis em Nova York. No verão, sobretudo em julho e agosto, faz muito, muito calor. O contrário ocorre nos gelados meses de dezembro, janeiro e fevereiro. Prefira a primavera ou o outono — em geral, brasileiros lidam melhor com os termômetros de abril, maio, setembro e outubro. Se seu destino é Miami, faz menos diferença, já que o clima ali é mais ameno.

+ Guia de compras completo em Miami e Nova York

Quando ocorrem as grandes liquidações?

Se o seu objetivo é fazer compras, poderá reforçar o estoque de agasalhos. Em geral, as maiores corridas às lojas ocorrem quando já está bem frio na maior parte dos Estados Unidos. A principal delas, chamada Black Friday, acontece após o Dia de Ação de Graças, feriado americano celebrado na quarta quinta-feira de novembro (neste ano, caiu no dia 24). Também há ótimas liquidações de Natal.

Malas
(Foto: Jaime Alves)

É obrigatório dar gorjeta?

Os americanos levam isso a sério. Mesmo porque, em muitos casos, prestadores de serviço de lá não têm salário fixo e precisam da gorjeta para sobreviver. Em restaurantes, o recomendável é gratificar o garçom com uma quantia de cerca de 15% a 20% do valor da conta. O mesmo vale para corridas de táxi. Se estiver num bar, o padrão é de Us$ 1,00 para cada drinque pedido.

Uma milha equivale a quantos quilômetros?

Uma milha é igual a 1,61 quilômetro. Anote também: 1 pé (em inglês, foot; feet no plural) é igual a 30,48 centímetros e 1 galão (gallon) contém 3,87 litros.

Qual é o melhor meio de transporte?

Em Nova York, é o metrô. O bilhete custa Us$ 2,25, mas vale a pena comprar o metrocard, que garante viagens ilimitadas por períodos que podem ser de uma semana (US$ 29,00) a um mês (US$ 104,00). Como são muitas linhas, há quem prefira os táxis, para não se confundir. É uma boa opção também: a bandeirada custa Us$ 3,00 (e mais US$ 0,40 a cada 320 metros). Caso vá para Miami Beach, os táxis saem por US$ 2,50 a bandeirada e US$ 0,40 a cada 270 metros). Pretende circular pelos outlets próximos? Então alugue um carro (a partir de Us$ 160,00 por uma semana, o modelo mais básico). É possível fazer isso usando sua carta de habilitação brasileira.

Como pagar as compras?

Devido à mudança de alíquota do imposto sobre operações financeiras (IOF), em março último, ficou mais caro comprar com cartão de crédito. Antes, a taxa era de 2,38% sobre o valor gasto no exterior; agora, é de 6,38%. A melhor alternativa é o cartão de crédito pré-pago, oferecido por algumas bandeiras.

Lojas da Collins Avenue, uma das mais nobres da ensolarada Miami Beach
Lojas da Collins Avenue, uma das mais nobres da ensolarada Miami Beach (Foto: Veja São Paulo)

Vale a pena usar meu celular no exterior?

Não. Tome muito cuidado com o roaming de dados de internet. As tarifas cobradas pelas operadoras de telefonia são bem caras (cerca de R$ 35,00 a cada 1 mega), e você pode ter surpresas desagradáveis. As ligações custam menos caro, mas o melhor a fazer é adquirir um celular local pré-pago, vendido até mesmo em farmácias, por preços entre US$ 20,00 e US$ 30,00. Os cartões para ligações variam de US$ 10,00 a US$ 50,00.

Seguro-saúde é uma boa?

Se o seu plano de saúde não tem cobertura internacional, sim. Gastos hospitalares nos Estados Unidos custam bem caro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO