Opinião do leitor

A capa de Val Marchiori deu o que falar

Leitora que defendeu a socialite recebeu 150 manifestações de apoio de conhecidos e desconhecidos

Por:

Raquel Nincao e a capa de Val Marchiori - 2219
A leitora Raquel Nincao e a polêmica capa de Val Marchiori (Foto: Veja São Paulo)

“O mundo seria muito melhor se existissem mais pessoas com o senso de justiça que ela tem. Virei sua fã.” A mensagem, enviada pela leitora Daniela Colobialli, foi uma entre várias que chegaram à redação para elogiar as palavras da advogada Raquel Nincao na seção A Opinião do Leitor da edição de 25 de maio. Nadando contra a corrente da maioria dos que se pronunciaram sobre a capa com Val Marchiori (“A perua da vez pede passagem”, 18 de maio), ela defendeu o direito da empresária e apresentadora de gastar seu dinheiro como bem entende. “Estou cansada dos justiceiros que dizem: ‘Com tanta criancinha passando fome, ela gasta 3.000 reais num jantar’. Ora, as criancinhas não são dela. Quem tem obrigação de alimentar as criancinhas são o Palocci, o Lula e a Dilma”, dizia um trecho de sua carta. Fez sucesso não só entre os leitores de VEJA SÃO PAULO.

+ Cartas sobre a edição 2218

+ Val Marchiori: a perua da vez pede passagem

Raquel estima ter recebido 150 manifestações de apoio de conhecidos — por e-mail, telefone ou pessoalmente — e até de desconhecidos pelas redes sociais. Filha de uma faxineira e de um camelô, ela passou a infância em São Miguel Paulista, na Zona Leste. Com dificuldade, cursou direito na FMU e hoje é dona de dois escritórios de advocacia. Para pagar tributo pelo que recebeu da vida, dedica boa parte de seu tempo e energia a causas sociais: organizou fórum para discussão do novo Código Florestal, contribui com a ONG beneficente Instituto Humanização e Desenvolvimento Integral e mantém o blog Cidadania, Respeito e Justiça (exercercidadania. blogspot.com). Já escreveu para várias revistas e jornais, mas é a primeira vez que vê sua opinião publicada em Vejinha. “Certamente mais pessoas pensam como eu e só não se manifestam porque não acham politicamente correto.”

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO