Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

São Paulo libera 2ª dose da Pfizer para grávidas que tomaram AstraZeneca

Público deve assinar um termo de ciência

Por Redação VEJA São Paulo 21 jul 2021, 14h40

O governo de São Paulo divulgou nesta quarta-feira (21) que grávidas e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina da AstraZeneca poderão concluir a vacinação com uma segunda dose do imunizante da Pfizer.

“A medida passa a valer a partir desta sexta-feira, dia 23, e é válida a todas as gestantes e puérperas que tomaram primeira dose da AstraZeneca e que poderão tomar a segunda dose da Pfizer”, disse o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB).

O caso ocorre após a aplicação da vacina da Fiocruz/AstraZeneca ser paralisada em gestantes e puérperas: esse público precisava aguardar o parto e fim do período puérpero (45 dias) para receberem a segunda dose da AstraZeneca.

As mulheres deverão assinar um termo de ciência no momento da aplicação. “A gente pede que essas gestantes que tomaram a primeira dose da AstraZeneca verifiquem seu cartão vacinal. Então, procure a unidade básica de saúde, de preferência onde já tomou a sua primeira dose para, no prazo, tomar a segunda dose da vacina da Pfizer”, disse a coordenadora geral do PEI (Plano Estadual de Imunização), Regiane de Paula.

A decisão foi embasada em estudos que demonstraram boa proteção com a chamada “intercambialidade” das vacinas da AstraZeneca e da Pfizer, e ocorre após recomendações da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações e do Centro de Contingência do Coronavírus.

Desde maio, 8,8 mil grávidas e puérperas receberam a primeira dose da AstraZeneca e poderão retornar aos postos de saúde para completar o esquema vacinal. Em toda a campanha, 229 000 delas já iniciaram o esquema e 34 600 já estão completamente imunizadas.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade