Continua após publicidade

Um oásis da música: centro de ensino Clam completa 50 anos

Fundado pelo Zimbo Trio, o Clam (Centro Livre de Aprendizagem Musical) celebra cinquenta anos de existência com semana especial e bolsas de estudos

Por Tomás Novaes
Atualizado em 28 Maio 2024, 09h05 - Publicado em 17 fev 2023, 06h00

Há cinquenta anos, uma escola de música era inaugurada na Rua Araguari, em Moema. Em 2023, após passar por três unidades diferentes, segue em atividade no mesmo bairro. A efeméride, rara para um espaço de ensinamento musical na capital paulista, sinaliza que não se trata de um lugar qualquer: a relevância do Clam (Centro Livre de Aprendizagem Musical) está, primeiramente, na importância dos seus fundadores.

+ Maria Rita faz apresentação especial no Vale do Anhangabaú; confira valores

“Nós éramos muito solicitados por pessoas que gostavam daquele caminho musical que tínhamos desenvolvido e queriam estudar com a gente. Piano comigo, bateria com o Rubinho (1932-2020) e contrabaixo com o Luiz Chaves (1931-2007)”, conta Amilton Godoy, 81, diretor do centro e o único integrante original do Zimbo Trio vivo atualmente.

Imagem mostra quatro homens de camisa social sorrindo, ao lado de placa de escola
Os fundadores da escola: o Zimbo Trio e o baterista João Ariza, o Chumbinho, à direita. (Arquivo pessoal/Divulgação)

Fundado em 1964, o conjunto foi pioneiro na música instrumental brasileira e ficou conhecido a partir do ano seguinte, quando passou a ser a banda fixa do programa O Fino da Bossa, apresentado por Elis Regina (1945- 1982) e Jair Rodrigues (1939-2014).

“Nós tocávamos na noite. E o Zimbo foi o primeiro grupo instrumental no Brasil com uma proposta de levar a música para o palco, e não ficar tocando só em bailes. A gente achava que a música instrumental brasileira poderia ter um futuro mais reconhecido”, explica Amilton.

+ Após programa de Jô Soares, Derico faz teste para ter próprio quadro na TV

A concepção do Clam passava pela ideia de aquele ser um lugar na cidade onde os alunos aprenderiam o que não era ensinado nos cursos formais, por meio de um método original, criado pelo Zimbo Trio.

“Não existia uma alternativa aos conservatórios. Quem queria improvisar, fazer um arranjo, aprender harmonia, não tinha uma escola que ensinasse isso. O Clam foi um oásis naquele deserto de gente querendo estudar uma nova forma de usar o instrumento. Foi um sucesso, uma procura muito maior do que poderíamos imaginar”, conta Amilton.

Imagem mostra mulher loira sentada ao lado de homem careca, em sofá
A pianista Eliane Elias com Amilton: aluna consagrada. (Arquivo pessoal/Divulgação)

Dessa história, que abrange cinco décadas e mais de 40 000 estudantes, fazem parte alguns dos principais músicos brasileiros das últimas gerações. Desde a pianista Eliane Elias e o baixista Nico Assumpção (1954- 2001), passando por Chico César e Ulisses Rocha, até chegar a nomes como Dani Gurgel, Anna Tréa e Tó Brandileone, produtor e integrante do coletivo paulistano 5 a Seco.

“Essa escola é um patrimônio cultural brasileiro incontornável. É muito importante para a vida de muita gente. E é importante para a minha vida tanto quanto para o Ulisses Rocha, que é o meu maior mestre do violão. A importância do Clam atravessa gerações, mesmo”, diz Brandileone.

+ No auge aos 86: Alaíde Costa lança disco produzido por Emicida

A cantora Alaíde Costa, que teve uma passagem curta pelo instituto nos anos 90, reforça sua relevância. “O Clam é sensacional. Tem um método não convencional, foi muito importante estudar lá. Eu sempre gostei de tocar piano e compor, e ali você tem a chance de aprender harmonia. A minha passagem foi rápida, mas muito especial”, comenta.

Para celebrar os cinquenta anos, além de uma série de homenagens de ex-alunos que estão sendo compartilhadas nas redes sociais, haverá uma Semana da Música Especial entre os dias 11 e 24 de março, com diversas aulas e oficinas com músicos como Vanessa Moreno, André Mehmari, Arismar do Espírito Santo, o próprio Amilton e também sua filha, a produtora Dani Godoy, que é coordenadora-geral da escola.

No dia 2 de março, aniversário do pianista, também será lançado um minidocumentário em sua homenagem, por meio do projeto #CulturaEmCasa, do governo estadual. A cereja do bolo da comemoração são as 100 bolsas de estudos que estão sendo oferecidas para o festival de cursos.

Continua após a publicidade

“Em 1958, eu ganhei uma bolsa de estudos no Concurso Nacional de Piano. Eu mudei de Bauru para São Paulo por isso. Foi determinante. E uma coisa que sempre gostei de fazer é arrumar bolsas de estudos para pessoas de talento que não tenham condições de pagar. Assim o Clam continua sendo um incentivador, um multiplicador”, diz Amilton.

Publicado em VEJA São Paulo de 22 de fevereiro de 2023, edição nº 2829

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.