Continua após publicidade

Casa das Rosas reabre renovada e com exposição de arte contemporânea

Mostra apresenta a história do imóvel, o processo da reforma e uma série de trabalhos de artistas diversos sobre o conceito de urbanidade

Por Mattheus Goto
27 out 2023, 06h00

Após dois anos fechada, a Casa das Rosas reabre ao público neste sábado (28). O casarão histórico na Avenida Paulista passou por um restauro estrutural das marcas de deterioração, instalação de recursos de acessibilidade e recuperação das características originais do imóvel. As obras tiveram um custo de 4,2 milhões de reais e foram 100% financiadas pelo governo estadual.

+ Museu do Futebol fecha para reforma completa e só reabrirá em 2024

Em celebração ao retorno, o espaço recebe a exposição Vivências do Novo nos dois primeiros andares. Enquanto o térreo apresenta a história da casa e o processo de restauro, o primeiro andar reunirá obras de quinze artistas contemporâneos, que abordam o conceito de urbanidade. “Essa reabertura serve para pensar o entendimento da Casa das Rosas como um espaço de resiliência histórica na cidade e na Avenida Paulista, que é um lugar tão diverso e plural”, comenta Paula Borghi, curadora da seção contemporânea da mostra, a Dimensão Cidade.

Os artistas são de diversas origens, com trabalhos que se relacionam de alguma forma com a capital, e estão em uma faixa etária de 30 a 90 anos. “Houve uma preocupação em trazer pessoas que não falassem de um único lugar e ter uma variedade etária, racial, de sexualidade e gênero”, ela acrescenta.

Restauro dos papéis de parede da Casa das Rosas: parte da exposição
Restauro dos papéis de parede da Casa das Rosas: parte da exposição (Flavio Franzosi/Divulgação)

As obras exploram diferentes formatos, da pintura e escultura à performance, instalação e audiovisual, em um “híbrido de linguagens, com um diálogo próximo com a literatura”, segundo a curadora. A instituição cultural homenageia o poeta Haroldo de Campos (1929-2003), símbolo do movimento concretista brasileiro, e armazena seu acervo com mais de 20 000 itens.

Com a recuperação dos atributos históricos, a ideia é que a própria casa faça parte da exposição. Ao caminhar pelos cômodos, o visitante poderá observar não só as obras de arte, mas também as características originais do casarão tombado, como os papéis de parede e os banheiros. Nesse âmbito, os trabalhos selecionados têm predominantemente uma paleta de cores neutra, para representar a cidade, enquanto a casa em si é colorida.

Imagem do livro "O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas" (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: restauro buscou recuperar características originais
Imagem do livro “O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas” (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: restauro buscou recuperar características originais (Acervo Casa das Rosas/Divulgação)
Imagem do livro "O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas" (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: história da casa será retratada na nova exposição
Imagem do livro “O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas” (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: história da casa será retratada na nova exposição (Acervo Casa das Rosas/Divulgação)

“A construção deixa de ser um invólucro e também se mostra como um documento”, diz Antonio Sarasá, diretor do Estúdio Sarasá, que realizou o restauro. “Nos banheiros, fizemos a limpeza, a conservação dos mármores, o restauro dos azulejos e outros procedimentos para resgatar o potencial dos materiais que representam saberes e fazeres da época, intrínsecos a esta casa.”

Construída em 1935 pelo escritório de Ramos de Azevedo, a Casa das Rosas abrigou membros da família até 1986, quando foi vendida ao empresário Mário Pimenta Camargo e ao arquiteto Júlio Neves, que construíram um edifício comercial nos fundos do terreno, para arcar com os custos da preservação. Em 1991, ela foi desapropriada e passou a funcionar como uma galeria de arte, até ser fechada para reformas, em 2001. Três anos depois, foi reinaugurada como Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, e assim continua.

Imagem do livro "O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas" (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: antes da construção do prédio aos fundo
Imagem do livro “O Jardim das Resistências: uma História da Casa das Rosas” (Risco Editorial, 2013), de Ana Cicaccio: antes da construção do prédio aos fundo (Acervo Casa das Rosas/Divulgação)

Publicado em VEJA São Paulo de 27 de outubro de 2023, edição nº 2865

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.