Clique e assine por apenas 6,90/mês

Pescados importados ganham mercado na capital

Espécies vindas da China e Vietnã são vendidas por menos da metade do preço dos concorrentes nacionais

Por Thais Reis Oliveira - Atualizado em 5 Dec 2016, 12h09 - Publicado em 22 Aug 2015, 00h00

Cerca de 2,5 milhões de toneladas de peixes asiáticos desembarcaram no Porto de Santos desde o início de 2015. Esse número representa um aumento de 25% nas importações em comparação com o mesmo perído do ano passado. A procura por produtos do gênero cresce por aqui a cada ano impulsionada por dois fatores.

+ 35 coisas que só quem é de Santos vai entender

O primeiro é o preço. Enquanto o quilo da tilápia congelada custa perto de 40 reais, o do panga, tipo de bagre criado no delta do Rio Mekong, no Vietnã, sai por 14,44 reais na rede de supermercados Sonda. Outra espécie que vem ganhando popularidade é a polaca-do-alasca (ou pollock), pescada na Rússia. Nos últimos meses, mais uma opção além-mar chegou à capital. Trata-se da solha, fisgada na costa da China e vendida a 20 reais o quilo.

+ O que acontece de mais importante na cidade

Além de terem preço mais em conta, esses artigos estão agradando pelo paladar. Com carne branca, sem pele nem espinhas e sabor suave, tornaram-se estrelasde bufês a quilo. “Culturalmente, o brasileiro gosta de filés sem gosto de peixe”, diz o empresário Thiago de Luca, da importadora Frescatto. No caso da solha, há ainda uma vantagem nutricional. Uma porção de 60 gramas tem apenas 34 calorias, enquanto a mesma quantidadede salmão chega a somar 130 calorias.

A concorrência disparou o sinal de alerta na indústria local. Em testes promovidos pelo Conselho Nacional de Pesca e Aquicultura, uma espécie de associação comercial do setor, os asiáticos apresentaram alto teor de tripolipofosfato de sódio, composto que aumenta absorção de água (o que influencia no preço final) e é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).O órgão federal, no entanto, não reconhece os resultados e diz que essas espécies se enquadram nos critérios estabelecidos para consumo no Brasil. “Nosso produto incomoda porque é bom e barato”, entende Luca, da Frescatto.

Publicidade