Em ponto nobre da Liberdade, restaurante faz mudança radical

Estabelecimento de família portuguesa há mais de seis décadas passa por repaginação de visual e cardápio

A esquina das ruas Galvão Bueno e dos Estudantes, na Liberdade, região central de São Paulo, é uma das mais movimentadas do bairro. Ali, ficam alguns dos logradouros mais disputadas do pedaço, a feira de comidinhas típicas e artesanato aos fins de semana, um mercadinho temático e o bombado café 89ºC Coffee Station.

Com tantas opções, um outro ponto passava despercebido por ali. Localizado na esquina oposta à praça, o Café Sol contava com poucos atrativos. Paulo de Campos, que comanda o endereço, diz que o estabelecimento, há 62 anos com a família, “pedia uma repaginação”.

Endereço clássico: ambiente revisado

Endereço clássico: ambiente revisado (Café Sol/Divulgação)

Originalmente um bar e bilhar arrendado pela família de origem portuguesa no final da década de 60, o lugar de 150 metros quadrados foi se modificando até se tornar o café e restaurante ítalo-brasileiro que era em maio deste ano, antes de fechar para reforma. A vontade de mudança começou, aponta Campos, com o desejo de produzir sorvetes.

Depois de fazer um curso na filial paulistana da Carpigiani Gelato University, com sede na cidade italiana de Bolonha, começou a experimentar num laboratório montado por ele. Porém, chegou à conclusão que o local precisava ser “mais do que uma gelateria italiana”. Decidiu, então, acrescentar uma confeitaria ao projeto, já que grande parte dos doces que vendia era comprada de fornecedores.

Balcão especial: doces e sorvetes de produção própria

Balcão especial: doces e sorvetes de produção própria (Café Sol/Divulgação)

O novo local deve, então, ser uma combinação do antigo e do novo. “Temos uma clientela fiel, então a ideia é manter pelo menos 70% do cardápio. Mas precisávamos dessa nova apresentação nos pratos, nas louças, no espaço”, explica. Entre as pedidas mais tradicionais da casa estão as massas, entre elas o fettuccine aos três queijos, as carnes, como a picanha com cebolas marinadas e batatas rústicas, e a feijoada, às quartas e aos sábados.

Novo visual: projeto para a entrada com janela para venda direta na rua

Novo visual: projeto para a entrada com janela para venda direta na rua (Café Sol/Divulgação)

A família pretende reabrir o Café Sol na segunda quinzena de agosto. O estabelecimento, que conta com 76 lugares, continuará servindo almoço e jantar, lanches, cafés e bolos e, agora, os sorvetes de Campos. O projeto também apresenta uma janela de venda direta para a rua.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s