Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Viajar e Curtir Por Blog Tudo o que é preciso saber antes de embarcar para a viagem dos sonhos

O melhor de Istambul, parte 2: as duas principais mesquitas

Ficam frente a frente na região de Sultanahmet, o bairro histórico de Istambul, dois de seus principais cartões-postais: a Santa Sofia, de um lado, e a Mequita Azul, do outro. Entre elas, esparrama-se uma praça recheada de palmeiras e fontes. Chama a atenção a imponência e a grandiosidade das construções – e qualquer semelhança, neste […]

Por Júlia Gouveia Atualizado em 27 fev 2017, 11h45 - Publicado em 11 dez 2012, 20h59

Santa Sofia, a original, do século VI: hoje um museu

Ficam frente a frente na região de Sultanahmet, o bairro histórico de Istambul, dois de seus principais cartões-postais: a Santa Sofia, de um lado, e a Mequita Azul, do outro. Entre elas, esparrama-se uma praça recheada de palmeiras e fontes. Chama a atenção a imponência e a grandiosidade das construções – e qualquer semelhança, neste caso, não é mera coincidência.

Uma das laterais da Mesquita Azul, erguida em frente à Santa Sofia: qualquer semelhança não é mera coincidência

Construída pelos cristão no século VI e símbolo-mor dos bizantinos, a Santa Sofia reinou soberana como o maior templo religioso do planeta até o século XVI. Sua arquitetura é, até hoje, considerada uma afronta às leis da gravidade: sua cúpula central se ergue, com mais de 30 metros de diâmetro, a mais 50 metros de altura, sem colunas ou pilares de sustentação.

O impressionante domo da Santa Sofia: desafio às leis da gravidade

Mas então no final do século XV Istambul foi invadida por muçulmanos que trataram de logo ocupar o templo e mascarar sua origem cristã. Mosaicos, afrescos e qualquer outra referência religiosa foram cobertos e a Santa Sofia foi declarada uma mesquita (hoje ela é um museu, aberto ao público todos os dias).

Mais semelhanças no interior da mesquita Azul: mania de grandeza

Mas a mania de grandeza dos sultões não estava saciada. No início do século XVII, o Sultão Ahmet mandou construir à imagem e semelhança da Santa Sofia um novo templo, bem em frente a ela, mas que fosse ainda maior. Nascia assim, oito anos depois de sua ideia megalomaníaca, a Mesquita Azul, que ganhou este nome pelo tom da fachada revestida de azulejos Iznik de cor cobalto. O templo segue até hoje funcionando como uma mesquita, mas pode ser visitado por turistas fora dos horários de culto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês