Imagem Blog

Tudo de Som

Novidades da música, clipes, entrevistas, artistas, listas e shows, por Tomás Novaes.
Continua após publicidade

Mariana Aydar e Mestrinho renovam o forró em disco conjunto com inéditas

Com participação de Gilberto Gil, álbum também reúne sucessos e joias raras do gênero e consagra a harmonia da dupla; confira a entrevista

Por Tomás Novaes
Atualizado em 8 abr 2024, 18h21 - Publicado em 8 abr 2024, 17h55

Após anos dividindo palcos pelo Brasil, Mariana Aydar e Mestrinho eternizaram a parceria com um álbum de estúdio lançado na última quinta-feira (4).

Mariana e Mestrinho (2024) reúne composições inéditas da cantora e do sanfoneiro, além de outros nomes convidados, e também regravações de grandes nomes do forró — de sucessos como Te Faço um Cafuné, de Zezum, a pérolas como Cheguei Pra Ficar, de Anastácia e Dominguinhos (1941-2013).

O acordeonista pernambucano é, inclusive, o grande homenageado do trabalho. Afinal, foi graças ao artista que Mariana e Mestrinho se conheceram ela gravou um documentário sobre Dominguinhos em seus últimos anos de vida, enquanto ele acompanhava-o em shows na estrada.

mariana-mestrinho-disco
A capa do disco ‘Mariana e Mestrinho’ (2024): parceria de longa data (Autumn Sonnichsen/Divulgação)

“Conheci Dominguinhos com dezesseis anos, em um show que ele convidou meu pai, meu irmão e eu para darmos uma canja. Nesse dia ele me deu o seu telefone e fiquei sempre em contato, até o momento de começar a tocar com ele. Não desgrudei mais, até o último show”, conta Mestrinho.

“Fui conhecer Dominguinhos mesmo quando comecei a ir para os bailes de forró, em que os DJs colocavam discos dos anos 70 que eu nunca tinha ouvido. Fiquei hipnotizada. Ele era uma pessoa generosa, humilde, calma, fiquei muito fã. Eu e outras pessoas tivemos a ideia de fazer um documentário sobre ele, e ficamos uns quatro anos gravando na estrada”, relembra Mariana.

Continua após a publicidade

Da discografia de Dominguinhos, estão presentes no disco Te Faço um Cafuné, Cheguei pra Ficar e Preciso do seu Sorriso, essa de João Silva (1935-2013) e Enok Virgulino. As outras regravações são O Filho do Dono, sucesso de Petrúcio Maia (1947-1994), e Ninguém Segura o Nosso Amor, de João Silva e Iranilson.

mestrinho-mariana-disco
O sergipano Mestrinho: referência da sanfona (Autumn Sonnichsen/Divulgação)

Entre as faixas inéditas, estão Dádiva, escrita por Zeca Baleiro especialmente para o álbum, Eu Vou e Até O Fim, de Mestrinho, além de Boy Lixo, de Mariana, Fernando Procópio e Tinho Brito, e Alavantu Anahiê, de Isabela Moraes e PC Silva.

Continua após a publicidade

Esta última faixa ganhou o reforço das vozes de Moraes e Juliana Linhares na gravação. “Ouvimos muitas músicas antes de chegar nesse repertório, e sabíamos muito bem o que queríamos. A ideia era atualizar o discurso do forró, que muitas vezes é bem machista e homofóbico, trazendo novos assuntos que tenham a ver com a nossa realidade de hoje”, explica Mariana.

“Fala sobre o protagonismo da mulher, de se colocar à frente dos seus desejos, das suas vontades, da sua vida”, completa a cantora, sobre Boy Lixo, que descreve aquele tipo de homem que “Trata mulher mal/E ninguém vê/E finge ser o tal/Para todo mundo ver”.

mariana-aydar-mestrinho-disco
A paulistana Mariana Aydar: vencedora do Grammy Latino (Autumn Sonnichsen/Divulgação)

A cereja do bolo é a participação de Gilberto Gil, na emocionante Até o Fim. Com a maior parte do disco gravado em São Paulo, com produção de Tó Brandileone, a voz do bamba baiano foi registrada no Rio de Janeiro.

“Admiro muito a forma como ele fala sobre o amor, esse olhar transcendental, amplo, de que, quando você ama uma pessoa, você nunca deixa de amá-la. Quando eu senti isso na minha vida, me veio a inspiração de compor essa música. A gente fez o convite e, generoso como é, ele aceitou com um sorriso lindo no rosto”, conta Mestrinho.

O time de instrumentistas que deu vida aos arranjos do disco é formado por Feeh Silva (zabumba e triângulo), Salomão Soares (piano), Fejuca (violão e cavaco), Federico Puppi (violoncelo), Will Bone (sopros), Rafa Moraes (guitarra) e Léo Rodrigues (percussão).

Continua após a publicidade

As primeiras apresentações do novo projeto em São Paulo acontecem nos dias 12 e 13, no Sesc Pompeia. Os ingressos já estão esgotados.

14 anos. Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93, Pompeia, ☎ 3871-7700. ♿ Sex. (12) e sáb. (13), 21h30. R$ 50,00. sescsp.org.br.

Compartilhe essa matéria via:

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.