Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tudo de Som Novidades da música, clipes, entrevistas, artistas, listas e shows, por Tomás Novaes.

Sesc 24 de Maio recebe o Choraço, projeto em homenagem ao choro

Na sua terceira e maior edição, evento reúne diferentes gerações de chorões; gênero tem ganhado nomes contemporâneos

Por Tomás Novaes Atualizado em 21 abr 2022, 18h31 - Publicado em 22 abr 2022, 06h00

O choro está longe de ser coisa de museu. E o projeto Choraço, que reunirá shows, oficinas e bate-papos sobre o gênero musical no Sesc 24 de Maio, é prova disso.

+ Terno Rei: “O lance das bandas está em extinção”

“Nesta edição a gente está trabalhando não só com artistas clássicos, mas também com os mais contemporâneos, com pessoas que bebem na fonte e continuam perpetuando a história do choro”, conta Silas Santos, técnico de programação musical da unidade. “Esse terceiro encontro é mais grandioso, a gente vai envolver não só as atividades em música, mas também atividades informativas, cursos, masterclasses.”

Imagem mostra homem de terno e camisa branca segurando um trompete. Ao fundo, plantas.
O trompetista Mateus Aleluia Filho, um dos nomes contemporâneos do evento. Crédito/Divulgação

O período de realização do festival não é uma escolha aleatória. No dia 23 de abril, este sábado, um dia após a abertura, comemora-se o Dia Nacional do Choro e marca o nascimento do músico e compositor carioca Pixinguinha, o nome mais fulgurante no desenvolvimento do gênero que começou como um “abrasileiramento” da música erudita europeia.

A união de bandolim, violão de sete cordas, clarinete e pandeiro, trazendo ainda as influências de ritmos africanos, fundou o estilo conhecido há mais de 100 anos e abriu os caminhos para a popularização do samba.

O berço do choro é o Rio de Janeiro. Mas a capital paulista não passa despercebida na biografia do estilo musical — João Dias Carrasqueira, Antonio D’Auria, Amador Pinho e Garoto são algumas referências paulistanas citadas por Izaías Bueno de Almeida, 84 anos, fundador no início dos anos 70 do grupo Izaías e Seus Chorões, o mais antigo em atividade na cidade.

+ O que os dados mostram sobre o sucesso de ‘Envolver’, de Anitta

Nascido na Zona Norte e criado em um dos redutos do samba na capital, o Parque Peruche, Izaías toca bandolim desde os 14. Nas últimas sete décadas, nunca havia ficado mais de uma semana sem manusear seu instrumento profissionalmente — até chegar a pandemia. “Cheguei a entrar quase em depressão porque o conjunto parou, a gente não via mais ninguém, perdemos amigos do choro. Isso causou uma profunda tristeza em todos os chorões”, revela.

A ferida de ver a cultura das rodas nos botequins, cada vez mais raras, ser varrida de vez em decorrência da Covid-19 parece estar sendo curada — e o projeto Choraço representa o retorno mais do que esperado. “Tem muito jovem tocando, com força total, isso é muito importante — e muito diferente da época em que o choro havia morrido completamente com o advento da bossa nova. Nós nunca tivemos um movimento como esse que está acontecendo”, compara o integrante do grupo cinquentão.

E, representando as novas gerações, surgem nomes como o conjunto paulistano Chorando as Pitangas, com integrantes na faixa dos 30 e 40 anos, que estreia o disco Terceira Dose em show com participação dos Barbatuques, e o músico mineiro Thiago Delegado, 39, violonista que lançou seu quinto álbum, Detalhes Guardados, no fim de 2021.

Outro destaque na programação é o trompetista e compositor Mateus Aleluia Filho, cujo pai é ex-integrante do conjunto Tincoãs e pesquisador de cultura afro-brasileira. “Minha relação com choro é bonita, já que meu instrumento participa das rodas, das gafieiras. Meu disco tem muita influência dele”, conta o instrumentista, que lançou seu primeiro trabalho-solo, Sopro do Interior, em agosto do ano passado.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Confira os destaques da programação:

SHOWS

Izaías e Seus Chorões

Sáb. (23), 20h. Dom. (24), 18h. R$ 40,00

Continua após a publicidade

Mateus Aleluia Filho

27/4, 20h. R$ 40,00

Thiago Delegado

30/4, 20h. R$ 40,00

Chorando as Pitangas

12 e 13/5, 20h. R$ 40,00

OFICINA

Sobre violão de sete cordas – com Edmilson Capelupi

17/5, 14h. Grátis

BATE-PAPO

A história do choro – com Izaías e Israel Bueno de Almeida

Sex. (22), 19h. Grátis

Sesc 24 de Maio. Rua 24 de Maio, 109, centro, ☎ 3350-6300. → Até 20/5. sescsp.org.br.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 27 de abril de 2022, edição nº 2786

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)