Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tudo Sobre Cinema

Netflix: filme indiano e série da Arábia Saudita fogem do convencional

Quatro Histórias de Desejo e Janelas no Deserto trazem temas interessantes dos dois países

Por Miguel Barbieri 27 mar 2020, 12h32

Eu gosto de procurar filmografias, digamos, exóticas na Netflix. Quando vi que havia uma série da Arábia Saudita e um filme indiano sobre “desejos femininos”, encarei a “maratona”. E foi ótimo!

A série saudita é uma reunião de curtas-metragens e o longa-metragem da Índia também é dividido em quatro histórias curtas. Confira o que achei de cada um deles.

Quatro Histórias de Desejo mostra um avanço nas produções indianas ao enfocar o comportamento sexual pelo ponto de vista das mulheres. No primeiro capítulo, uma professora mantém uma relação escorada no ciúme com seu jovem aluno. A seguir, uma empregada doméstica transa com o patrão, mas os pais querem arranjar uma noiva para o filho (algo parecido já havia sido abordado em A Costureira de Sonhos). Mais maduro, o casal de amantes do terceiro episódio tem uma protagonista de ideias sólidas e liberais. O derradeiro conto filia-se ao humor do brasileiro De Pernas pro Ar ao focar o dilema de uma moça que, sem atingir o orgasmo com o marido, recorre a vibradores. São tramas de humor ameno que, embora escorreguem em alguns momentos no lugar-comum, fazem refletir sobre o patriarcado e as raízes machistas na Índia.

Pare e pense: quantas vezes você assistiu a algum produto audiovisual da Arábia Saudita? A importância de Janelas no Deserto vem, justamente, para mostrar ao mundo que um país tão fechado também consegue conceber tramas de humor irônico e com críticas ao próprio sistema. Dividida em seis curtas-­metragens, a série tem dois pontos altos. O primeiro episódio narra a trajetória de um vendedor que, prestes a ficar cego, decide rodar o planeta com o melhor amigo (foto) — e o desfecho da história é muito divertido. No terceiro conto, sobreviventes de um acidente aéreo caem numa espécie de fenda do tempo e têm reações como se estivessem na década de 70. Os outros capítulos são, digamos, mais experimentais, seja nos enredos complexos, seja no visual arrojado. Não invalidam, contudo, a proposta de apresentar o cinema saudita, com todas as contradições do mundo muçulmano, a novas plateias.

Quer me seguir nas redes sociais? Anote: 

Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
Twitter: @miguelbarbieri
Instagram: miguelbarbieri
YouTube: Miguel Barbieri Jr. 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês