Imagem Blog

Terraço Paulistano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.
Continua após publicidade

Moradores organizam protesto contra cercamento da Praça Pôr do Sol

Aprovada pela prefeitura, instalação de alambrados é defendida por duas associações de bairro; vizinhança fez abaixo-assinado para barrar a obra

Por Humberto Abdo
Atualizado em 25 mar 2021, 10h56 - Publicado em 23 fev 2021, 11h56

Após convencerem a prefeitura a instalar um alambrado em torno da Praça Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros, as associações de moradores do bairro enfrentam oposição à nova obra, que vai custar 652 953,78 reais no total — uma instalação pleiteada pelo movimento “não no meu quintal” da região e paga pela gestão municipal. “Parece um campo de concentração”, define Flávio Scavasin, que integra o grupo de vizinhos unidos contra a praça fechada. O pedido da obra foi feito pela Associação Amigos do Alto de Pinheiros (Saap) e pela Associação de Moradores de City Boaçava. “Não fizeram qualquer consulta à sociedade. Um abaixo-assinado nosso já tem 1 500 nomes enquanto essas duas associações representam pouquíssimas pessoas.”

Para Flávio, a praça deveria ser considerada um mirante em área urbana aberto para visitação e casos envolvendo barulho, violência e depredação (entre as principais queixas das associações) poderiam ser resolvidos com policiamento e fiscalização. “É um tiro no pé a prefeitura manter aquilo”, critica. Neste domingo (28), às 16h, o grupo planeja um ato simbólico em frente à praça com um “grande abraço contra o cercamento”. 

Precisando de reparos e revitalização, prefeitura gasta 650 000 reais em tela para cercar a Praça Pôr do Sol.
Precisando de reparos e revitalização, prefeitura gasta 650 000 reais em tela para cercar a Praça Pôr do Sol. (Flávio Scavasin/Reprodução)

Marcia Kalvon Woods, presidente voluntária da Saap, questiona a estrutura do grupo. “Quem nos questiona é zero transparência, sem liderança e nem assinatura tem. Nós temos uma governança, estatuto, prestamos contas”, justifica. “E também achamos que praça não deve ser fechada, exceto à noite, pois é quando acontece a depredação. Desde 2014 tentamos alternativas para revitalizar a praça, então é muito fácil ser contra. Espero que essa mobilização e comoção durem.”

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Em nota, a prefeitura afirma que a obra irá atuar para a conservação do local, “que contém características de parque e recebe grande quantidade de frequentadores.” Os horários de fechamento e abertura do local, assim como sua capacidade, estão em fase de estudos. “Foram instalados alambrados em vez de grades, por ser mais econômico”, diz a prefeitura.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicado em VEJA São Paulo de 3 de março de 2021, edição nº 2727

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.