Imagem Blog

SP Colorida Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Mariana Gonzalez
Blog sobre cultura, iniciativas e serviços inclusivos para a população LGBT em São Paulo
Continua após publicidade

ONU lança guia “politicamente correto” para falar sobre HIV

Documento apresentado pela Unaids Brasil traz definição para mais de 130 termos ligados à população LGBT e aos cuidados com o vírus

Por Mariana Gonzalez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
5 out 2017, 12h53

Apesar de ter sido descoberta há mais de trinta anos, a Aids ainda é um assunto difícil de ser abordado. Pensando nisso, a Unaids Brasil – programa da ONU pelo combate ao vírus no país – lançou um guia de terminologias indicando as expressões mais adequadas ou “politicamente corretas” ligadas ao tema.

“As palavras são capazes de moldar o pensamento e influenciar comportamentos. Portanto, a utilização de linguagem apropriada tem o poder de fortalecer a resposta global à epidemia de Aids”, afirma a diretora da Unaids Brasil, Georgiana Braga-Orillard.

Além de indicar novas terminologias, o documento traz um dicionário com mais de 130 verbetes ligados à população LGBT e aos cuidados com a doença, com definições para termos como “estado sorológico” e “transfobia”, por exemplo.

A versão completa do guia está disponível na internet, mas selecionamos alguns termos que a ONU recomenda que caiam em desuso. Confira:

Continua após a publicidade

Portador de Aids – o ideal é se referir a pessoas infectadas por “portador de HIV”. Isso porque nem todos que carregam o vírus manifestam a doença, que leva o nome de Aids. Além disso, o guia alerta que o termo pode ser “estigmatizante e ofensivo para muitas pessoas vivendo com HIV”.

Pessoa contaminada por HIV – deve ser substituído por “pessoa vivendo com HIV”, já que o termo “contaminação” se refere a objetos e equipamentos. Pessoas que vivem com HIV, na realidade, foram infectadas e não contaminadas pelo vírus.

Grupos de risco – quando nos referimos ao grupo de pessoas que tem maiores chances de contrair o vírus, é melhor substituir por “população chave”. De acordo com o guia, quando falamos de Aids, não existem grupos de risco e sim, comportamentos de risco. Além disso, a utilização do termo pode aumentar o estigma e a discriminação contra determinados grupos, especialmente a população LGBT.

Doença mortal/incurável – neste caso, é melhor não rotular a doença. A ONU explica que referir-se ao vírus desta forma aumenta o estigma e a discriminação, além de gerar pânico entre pessoas infectadas e familiares.

Continua após a publicidade

Doença Sexualmente Transmissível (DST) – há alguns anos, recomenda-se substituir o termo por Infecção Sexualmente Transmissível (IST). Isso porque muitas infecções do tipo não chegam a causar sintomas, nem a manifestar uma doença, de fato.

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.