Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Edifício Sampaio Moreira: o primeiro arranha-céu da cidade

O prédio chegou a ser o mais alto da capital, mas perdeu o posto com a construção do Martinelli

Por Juliene Moretti Atualizado em 21 dez 2018, 06h01 - Publicado em 21 dez 2018, 06h00

O projeto era ousado para aquele início dos anos 20: um prédio com doze andares, bem diferente das edificações de até quatro pavimentos, o padrão da época. Inaugurado em 1924, na rua Líbero Badaró, o Sampaio Moreira foi o primeiro arranha-céu da cidade. Cinco anos depois, perdeu o posto de mais alto com a construção do edifício Martinelli. O empreendimento havia sido encomendado pelo empresário José Sampaio Moreira ao arquiteto Christiano Stockler.

O estilo é considerado eclético, com referências ao neoclássico e ao art nouveau. “Era bastante sofisticado”, diz Mariana rolim, diretora do Departamento do Patrimônio Histórico. “As áreas comuns foram muito ornamentadas, como a porta de ferro na entrada, com detalhes florais, e a escadaria de mármore”, completa. Em cada andar havia cerca de quinze pequenas salas comerciais, com aproximadamente 15 metros quadrados cada uma, que podiam ser interligadas por portas.

O prédio: salas comerciais com vista para o Anhangabaú Mario Rodrigues/Veja SP

Com viés comercial, o prédio tinha como público-alvo os autônomos, entre eles advogados, dentistas e arquitetos — Stockler alugava o 5º andar, o único mantido como original depois da restauração iniciada em 2012. O térreo também é o endereço da centenária mercearia Casa Godinho, que se mudou para lá nos anos 20. Tombado em 1992, por estar dentro da área do Vale do Anhangabaú, e desapropriado pela prefeitura em 2010, o local passou a ser sede da Secretaria de Cultura do município no último mês de setembro, quando se tornou objeto de investigação do Ministério Público.

A denúncia pedia o auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). Segundo a pasta, a situação foi regularizada em outubro com a entrega do documento, válido até abril de 2019, data do fim da reforma, orçada em 2,4 milhões de reais. “Depois, conseguiremos o permanente”, diz o secretário André Sturm. No projeto, foram feitas as adequações às regras atuais de segurança, como a criação de rotas de fuga, instalação de hidrantes e a modernização dos sistemas dos elevadores, que continuam com o jeitão sofisticado, com suas portas pantográficas, paredes bordô e detalhes em dourado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês