Imagem Blog

Memória

Por Blog
Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Continua após publicidade

Vinte e cinco doces da venda da esquina

Relembre quais eram as guloseimas que faziam a cabeça das crianças em tempos passados

Por Roosevelt Garcia
13 mar 2017, 17h44

Os pequenos empórios eram um tipo de comércio importante nas décadas passadas. Ainda existem até hoje, principalmente em bairros mais periféricos, mas entre as décadas de 60 e 80, antes de surgirem os grandes hipermercados e mercearias, eram a principal fonte de mantimentos para as famílias paulistas. Todas tinham uma conta na “caderneta” da sua venda preferida, onde as despesas eram anotadas para serem pagas no final do mês. Os filhos adoravam acompanhar os pais em dias de compras, porque tinham a oportunidade de escolher um doce – ou mais de um. Muitas vezes, se a venda ficasse perto de casa, era até permitido que elas fossem sozinhas comprar seus próprios doces, pagando com moedinhas ou deixando pra marcar na caderneta.

Muitos desses doces deixaram saudades nas crianças daquela época, que hoje são adultos saudosistas. Outros doces foram modernizados, industrializados, tiveram suas fórmulas mudadas, e continuam à venda até hoje, mas com uma qualidade que não chega nem perto daqueles tempos. Será que a qualidade realmente caiu, ou somos nós que ficamos mais exigentes?

Veja abaixo uma pequena lista, de doces caseiros a produtos industrializados, que deixavam as crianças mais felizes naqueles tempos:

1.Bananinha triângulo

()

Ainda se acha por aí, mas são industrializadas. Naquele tempo eram caseiras, com palito de madeira, e muito mais gostosas!

2. Cone de doce de leite

Continua após a publicidade
()

Outro doce caseiro que todo empório tinha. Era difícil decidir o que era mais gostoso: o recheio de doce de leite ou a casca, sempre fresquinha e crocante.

3. Suspiro quadrado

()

Normalmente branco, rosa ou amarelo, mas os sabores eram todos iguais: sabor de infância!

4. Doce de banana no copo

()

O copo era feito de casquinha de sorvete, e o doce de banana era tão cremoso, que tinha de vir com uma colher pra gente comer.

Continua após a publicidade

5. Refresco em plástico

()

Em diversos formatos: carrinho, figuras geométricas, personagens e frutas, esse refresco era realmente gostoso. Hoje em dia dá para achar por aí, mas é só uma mistura de água, corante e açúcar.

6.Chupeta de açúcar

()

Feita somente de açúcar caramelizado, coberta com açúcar refinado. As crianças adoravam, e os dentistas também.

7. Pé de moleque

Continua após a publicidade
()

Antes do doce industrializado, nas vendas e mercearias sempre tinha esse doce caseiro, caprichado no amendoim e no açúcar. Não tinha nem embalagem individual: era cortado e servido ali, na hora.

8. Doce de Abóbora de Coração

()

Ainda é possível encontrá-lo por aí, numa versão mais industrializada, mas nos anos 70, a única forma de comer esse delicioso doce era comprando nas mercearias e vendas, que o tinham sempre fresquinho.

9. Dropes Dulcora

()

Embalados individualmente, o que era uma novidade na época, o que mais fazia sucesso era o sabor misto, que mesclava diversas cores de balas na mesma embalagem.

Continua após a publicidade

10.Dropes Chu-Cola

()

Era um dropes quadrado, parecido com o Dulcora, mas dizia ter o sabor da Coca-Cola. Não tinha, mas todo mundo gostava assim mesmo.

11. Dip´n´lik

()

Ainda é possível encontrar o pirulito que mergulhamos num pozinho aromatizado de diversos sabores, mas quando a novidade surgiu nos anos 80, foi uma festa!

12. Guarda chuva de chocolate

Continua após a publicidade
()

Formato inusitado para um doce comum, mas talvez justamente por isso, era tão requisitado.

13. Gotas de pinho alabarda

()

Essa fazia mais sucesso com os adolescentes, porque sempre vinha com uma figurinha com frases que as pessoas colecionavam.

14. Dadinho

()

Doce de amendoim em formato de dado (um cubo), muito saboroso. Hoje em dia ainda existe, mas não deveria mais se chamar Dadinho, já que parece apenas açúcar e gordura em um cubo achatado, e nem formato de dado ele tem mais.

15. Sugus

()

Teve seu auge no Brasil nos anos 70 e 80, em diversos sabores, que incluíam laranja, limão e abacaxi. Parou de ser fabricado por aqui, mas ainda é possível encontrá-lo fora do país.

16. Supra Sumo

()

Dropes diferente, vinha numa embalagem de lata, e parecia remédio. Até o nome lembra remédio, mas era uma bala de fruta coberta com açúcar. Deixou de ser fabricado, mas voltou nos anos 2000, com uma embalagem normal e sem o mesmo appeal de antes.

17. Cigarrinhos de chocolate

()

Consegue imaginar algo mais politicamente incorreto do que cigarros pra crianças? Pois este doce foi um sucesso nos anos 70 e, depois, retirado de circulação por razões óbvias.

18. Ice Pop

()

Versão industrializada do “gelinho” que a gente comprava nas mercearias, o Ice Pop fazia muito sucesso na década de 80, principalmente por causa da menininha que fazia a propaganda.

19 .Caramelo do Zorro

()

Esse pirulito de caramelo nunca encontrou um rival à altura. Tinha o sabor certo, a consistência perfeita, e foi sucesso absoluto nos anos 80.

20. Arroz em flocos

()

Flocos macios que vinham em uma embalagem individual. A maior diversão era abrir e virar tudo na boca.

21. Chiclete Azedinho-Doce

()

Tinha um sabor único, azedo por fora e doce por dentro, e vinha em embalagens com seis unidades.

22. Kleps

()

A bala Kleps vinha em uma fita plástica, embalagem super diferente na época, e era consumida principalmente por adolescentes, que a compravam na escola.

23. Mini Chiclets

()

Fabricado pela Adams até 1998. Toda criança adorava encher a boca com os chicletinhos sabor tutty-frutty.

24. Bala Soft

()

O maior medo de todas as mães era que as crianças engasgassem com essa bala que todo mundo adorava. Depois de um tempo fora de circulação, ela voltou com um novo desenho: um furo no meio, pra evitar que isso pudesse acontecer.

25. Pirocóptero

()

Um pirulito comum, mas que tinha uma segunda função: virava um brinquedo depois que acabava. Era só encaixar a hélice que vinha com ele, e dava pra garantir horas de diversão.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.