Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming
Continua após publicidade

‘Nosso Lar 2: Os Mensageiros’ explora conexão entre vivos e espíritos

Leia a entrevista com o diretor Wagner de Assis e os atores Edson Celulari e Fernanda Rodrigues

Por Humberto Abdo
26 jan 2024, 06h00

Com efeitos especiais mais sofisticados e um novo elenco, Nosso Lar 2: Os Mensageiros estreia nos cinemas com a vontade de repetir os feitos do primeiro filme baseado na obra do médium Chico Xavier. Lançado em 2010, Nosso Lar chegou a bater recordes ao levar mais de 4 milhões de pessoas aos cinemas.

A partir do livro Os Mensageiros, a continuação tem Edson Celulari e Fernanda Rodrigues no elenco e está nas mãos do mesmo diretor, Wagner de Assis, que mantém o objetivo de explorar a conexão entre o mundo espiritual e terrestre de forma acessível a todos os públicos. Confira trechos da entrevista:

Qual foi a influência dos livros de Chico Xavier nas suas atuações e na direção?

FERNANDA: Bebemos de várias fontes e foram várias inspirações, mas para criar minha personagem segui meu instinto e intuição em cena. O que vivemos no set acabou sendo mais importante para mim do que as fontes.
EDSON: Para entender o roteiro, precisei entender a matriz desse universo. Meu personagem, Aniceto, tem capacidade de perdão e compaixão bem maiores do que eu, por ser um anjo que desce à Terra para ajudar famílias em dificuldade. Então o filme precisava de um Aniceto que trouxesse palavras de esperança.
WAGNER: A influência de Chico Xavier não está só no meu trabalho, mas na vida. Sou apenas mais um dos milhões de brasileiros que se interessaram por aquele conhecimento. O material desses livros é algo ainda a ser plenamente compreendido conforme o tempo passa. Do ponto de vista dramático, são livros que atendem meu desejo de contar histórias dentro desse universo (espírita) e que continuam sendo para todas as pessoas.

Quais são as diferenças entre o primeiro filme e esse?

W: É um filme que se propõe a uma linguagem mais atual, resultado do aprendizado que tivemos ao longo desses anos todos com o primeiro filme e com outras obras que acabei fazendo, entre filmes e novelas. E tem uma demanda dramatúrgica que vai além, pois esse combina histórias e apresenta mais temas, mais opções de identificação com o público. Estamos falando de vida depois da vida, mas também de amor no sentido amplo, de arrependimento, de maternidade, resgates. Tem inúmeras camadas que podem emocionar o público.

O novo filme mudou de alguma forma suas crenças anteriores?

W: No meu caso, nada. Pessoalmente eu acredito em tudo o que está lá por ser algo universal, que vai além da doutrina espírita e que dialoga com todas as filosofias.
E: Eu sou católico, mas acredito na vida após a morte e me interesso cada vez mais em estudar a doutrina.
F: E é transformador fazer um filme como esse. São muitos aprendizados de resiliência, de amor, paciência e união. Tudo isso está no set também, com um elenco generoso e que se deu bem. O Wagner fazia uma oração todo dia antes de começar e isso já fez com que nossa energia começasse abençoada e diferente.

Continua após a publicidade

Qual foi o maior desafio nesse trabalho?

F: Ver a vida depois da vida e interpretar uma personagem que não está nesse plano. É algo que nunca imaginei viver.
E: Eu nunca tinha feito um anjo e é bom assistí-los, mas difícil realizá-los (risos).
W: Existem muitos desafios, mas dignificar o trabalho do Chico é um dos grandes objetivos, além de contar essas histórias para as pessoas e emocionar a todos no cinema.

Publicado em VEJA São Paulo de 26 de janeiro de 2024, edição nº 2877

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.