Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Ser feliz na escola

Diretora do Colégio Pentágono reflete sobre a possibilidade de felicidade dentro do ambiente escolar

Por Denise Desiderá, em depoimento a Helena Galante Atualizado em 9 jun 2022, 19h23 - Publicado em 10 jun 2022, 06h00

O que é ser feliz? Essa é uma das principais perguntas da humanidade e, ao longo de nossa história, sempre tentamos responder-lhe da forma que melhor nos convém.

Trabalhando em escola há 25 anos, acredito que a felicidade se encontra nas crianças correndo, em suas risadas na hora do intervalo. Para nós da equipe pedagógica, é ver o desenvolvimento dos alunos desde a educação infantil até a formação desses estudantes no ensino médio.

Entre as muitas possibilidades, uma que sempre gosto de lembrar é a versão da felicidade para a psicologia, que nos mostra que nascemos para o prazer — as sensações acumuladas nas experiências representariam a tal felicidade. Outro ponto importante são os relacionamentos sociais, a interação com a sociedade.

+ Arte como caminho de cura e estímulo à saúde mental

Sabemos também que, para viver em sociedade, precisamos entender que alguns prazeres precisam ser contidos. Aprendemos isso com o tempo, com a vida. O primeiro núcleo social importante, nesse sentido, é a família e, em seguida, a escola, que os pais ou responsáveis devem escolher em acordo com seus valores.

A dúvida, então, muda de forma. Se ser feliz é experimentar sentimentos positivos, será que é possível ser feliz na escola, onde há regras para convivência harmônica? A boa notícia é que a felicidade depende de contrapontos. Aos poucos passamos a entender que há espaços para cada tipo de emoção, e muito disso se aprende na escola. Considerando um colégio que tem alunos de 3 a 17 anos, garantir a felicidade de todos depende de uma postura proativa, que entenda as características de cada idade.

Para mim, a felicidade na escola começa quando os alunos percebem o interesse do professor por eles. Esse interesse, que às vezes o aluno entende como acolhimento, é fundamental para criar o entendimento de que há um outro também nos ajudando a sermos felizes. Conquistar um aluno pelo afeto, principalmente os mais novos, é o caminho mais eficaz para o desenvolvimento da aprendizagem.

+ Terceirizar nossas angústias não é um bom negócio

A escola, contudo, não é um espaço de relacionamento apenas no contexto entre aluno e professor. Mais do que isso, o ambiente escolar também é uma oportunidade para que a criança possa pertencer a um grupo de amigos e integrá-lo. Essa relação nutrida de forma saudável gera alegria, satisfação, esperança e, portanto, felicidade.

Continua após a publicidade

Outro ponto é o estímulo a recompensas. Quando o aluno estuda e vê o seu esforço no resultado e percebe assim quanto aprendeu, ele certamente está no caminho para alcançar a felicidade mais genuína no espaço escolar. Estamos falando, portanto, da construção de uma relação de confiança e parceria, na qual a família participa também ativamente ao estabelecer pontes com o colégio.

Oferecer felicidade aos alunos é uma tarefa que demanda uma compreensão holística das necessidades de um jovem, entendendo seus medos, inseguranças, vontades e sonhos. Ter seu estado emocional considerado e cuidado faz com que o aluno se sinta compreendido.

Por fim, a felicidade é representada na alegria de brincar livremente, sem nem notar que se está sob a supervisão das professoras. É contar nos dedos o tempo que falta até a hora do parque. É o abraço apertado na despedida dos pais rumo à sala de aula. Ou anos mais tarde, quando regressamos ao colégio e nos lembramos, sorrindo, de tudo o que vivemos ali. É assim que as crianças chegam à felicidade plena na escola: sendo apenas felizes.

Denise Desiderá aparece sorrindo
Denise Desiderá é diretora no Colégio Pentágono há dez anos. Todo dia, ela reflete sobre como é possível ser feliz na escola. Divulgação/Divulgação

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de junho de 2022, edição nº 2793

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês