Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

O lugar que queremos habitar

O professor e antropólogo visual, Franklin Lopes, questiona: será que a casa em que vivemos nos abriga?

Por Franklin Lopes, em depoimento a Helena Galante Atualizado em 30 jun 2022, 19h41 - Publicado em 1 jul 2022, 06h00

Mais do que um imóvel, um lugar onde reunimos e dispomos objetos, a casa pode ser mais bem entendida como um espelho. Ela nos apresenta diariamente e insistentemente a nós mesmos. Diante dessa imagem que a casa projeta, vamos percebendo a passagem do tempo e o ritmo da vida, dando contornos às nossas maneiras e manias, nos tornando curadores, artistas e espectadores de um museu autobiográfico que nos engolfa.

+ Como ter uma rotina criativa e gerenciar melhor seu tempo

A casa materializa, aterrissa e dá o contorno necessário para o infinito que habita em nós. Sem ela teríamos dificuldade para revisitarmos nossa história, nos reconhecermos e, principalmente, nos reinventarmos. Sem a casa, viveríamos afogados no efêmero dos pensamentos, percepções e emoções.

Ao trazer estabilidade para a vida, a casa nos oferece a possibilidade única de reunir passado, presente e futuro ao alcance das mãos. Talvez esteja aí sua relação inexorável com a identidade. A casa me orienta quando desejos e demandas embaralham os pés.

Diante desse caráter simbólico é natural que ela ocupe papel central em nosso cotidiano e abarque tudo o que nos é necessário para uma vida plena. No entanto, não é isso que vivenciamos atualmente em grandes centros urbanos.

Desde a Revolução Industrial culturalmente estamos sendo alijados da esfera doméstica. Compramos a ideia de que a vida só acontece em cores pungentes do lado de fora. É lá que estão nosso sustento, nossa diversão e socialização.

Nas cidades a casa se tornou mercadoria, sonho de muitos, privilégio de poucos que em geral terceirizam seus cuidados. Nas cidades, a casa congelou-se em imagens de Pinterest, livre de afetos, como num “visite decorado”.

Enquanto isso, outras redes sociais e crachás parecem ocupar o papel de espelho, nos oferecendo audiência e carreira, homogeneizando nossas escolhas e afastando-nos das possibilidades de habitarmos outros mundos.

+ Novas prioridades

Continua após a publicidade

É nesse cativeiro da vida moderna que o colapso civilizatório a que estamos submetidos encontra morada. A pandemia e a crise climática nada mais são do que expressões de uma casa em ruínas. Ao passo que uma nos confina, outra nos desaloja. Não cabemos mais dentro do mundo que criamos. 

É em meio a esse sentimento profundo de desterro, no entanto, que emerge a possibilidade de retornar. E nunca antes foi tão urgente entender a importância de retornar. Como bem coloca o filósofo e ambientalista indígena Ailton Krenak, “o futuro é ancestral”, e para encontrarmos felicidade e bem-estar precisamos resgatar a essência do morar, nos conectarmos com esse lugar que habitamos e que habita em nós, seja ele corpo, casa ou planeta.

Essa busca por repactuação já é uma realidade entre nós. Segundo um estudo feito pelo QuintoAndar em parceria com a Talk Inc, sete em cada dez brasileiros se veem morando mais perto da natureza ou em casas sustentáveis; e um em cada dois se vê morando fora dos grandes centros urbanos.

É fundamental abrirmos as portas para novas possibilidades, demolirmos os muros que nos isola e repensarmos, sentados à mesma mesa, sobre o que nos falta, nos sobra e preenche verdadeiramente. Ao longo do processo, fica o convite à reflexão: será que a casa em que vivemos nos abriga?

Franklin Lopes
Franklin Lopes é professor e antropólogo visual. Formado em administração de empresas (FGV) e mestre em antropologia visual (Goldsmiths, Inglaterra), vem se especializando em métodos de pesquisa multissensorial. É sócio-fundador e diretor de pesquisa da Zodíaco Cultural Strategy e idealizador do Projeto Pertence, que traz atenção para o papel que a casa e seus objetos ocupam Arquivo Pessoal/Divulgação

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 6 de julho de 2022, edição nº 2796

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês