Imagem Blog

A Tal Felicidade

Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Homens pretos também precisam fazer terapia

André Menezes, gerente de programas da Netflix, fala sobre como o processo terapêutico lhe ajudou no processo de autoconhecimento

Por André Menezes, em depoimento a Helena Galante
20 jan 2023, 06h00

Como um homem preto que nasceu e cresceu na periferia de Guarulhos, em São Paulo, desde muito cedo tentei entender o conceito de o que é “ser feliz”. O que isso significa? Onde está a tal felicidade? Na periferia, tentava sobreviver às estatísticas que insistem em perseguir o povo preto e intrinsecamente conectava felicidade ao sucesso, mas tinha um problema enorme: as minhas referências de sucesso e consequentemente de felicidade eram todas brancas. Quando ligava a televisão, assistia a um filme, ou escutava uma entrevista de pessoas felizes e de sucesso, todas eram brancas, então comecei a me perguntar: como posso ser feliz se não faço parte desse recorte? Como posso ter sucesso se não sou branco? Então um homem negro não pode ser feliz?

+ Autocuidado: como colocá-lo em prática no dia a dia

Esse dilema me acompanhou por muitos anos e, visando “resolvê-lo”, desesperadamente comecei a tentar me encaixar no que me foi apresentado como sucesso e felicidade. Em outras palavras, eu tentei ser uma pessoa branca, imitando costumes, copiando gírias e reproduzindo vestimentas e marcas. Me lembro de ter quase abdicado da minha paixão pelo samba e comecei a ouvir estilos que eu não gostava, mas que me faziam ser mais branco na minha cabeça. Por muitos anos tive vergonha do meu cabelo, já tentei alisar e, como não consegui, decidi ter o cabelo sempre na máquina zero.

Como ser feliz se não poderia nem ser eu? Como ser feliz se não me reconhecia como homem preto, o que de fato eu era e sou? Essa tentativa de embranquecimento como sinônimo de felicidade me acompanhou por muitos anos, mas eu não era feliz, sentia que não me encaixava, que não fazia parte e não me sentia realizado. Foi quando aos 28 anos decidi procurar ajuda e comecei a fazer terapia. Procurei um psicólogo, pois queria entender o porquê de a tal felicidade não estar batendo na minha porta, o porquê de eu não ser feliz.

+ Como se voltar para um lugar de escuta empática?

Continua após a publicidade

No fim, o processo terapêutico me trouxe muitas respostas que nem imaginava estar procurando. Foi e ainda é um gigantesco processo de autoconhecimento. Comecei um processo de certa forma doloroso de me reconhecer como um homem preto em uma sociedade estruturalmente racista. Aprendi que, acima de tudo, independente do sucesso, sempre serei negro em primeiro lugar. Esse entendimento foi vital para meu autoconhecimento. Voltei a me identificar com a minha cultura, a ouvir samba e tocar nas rodas, deixei meu cabelo crescer e perdi a vergonha de dizer quem eu sou.

Passado esse período de autoconhecimento da minha negritude, as minhas conquistas ficaram mais significativas, me formei em uma das universidades mais privilegiadas do mundo, a Universidade Harvard, e trabalho em uma das empresas mais queridas do Brasil, a Netflix. Todavia, não foram somente essas conquistas que deixaram a tal felicidade mais tangível para mim, e sim o fato de me reconhecer como homem preto, o fato de poder estar próximo das minhas origens e cultura sem sentir vergonha por isso e poder dizer com muito orgulho: sim, eu sou um homem preto.

A Tal Felicidade: André Menezes.
André Menezes é gerente de programas da Netflix. Mestre em artes liberais com foco em administração em Harvard, desde pequeno sabia que seu esforço abriria portas para seu futuro. Criado no Bairro dos Pimentas, zona periférica da cidade de Guarulhos, seus passos ajudaram a se tornar o profissional de sucesso que é hoje. (Arquivo Pessoal/Reprodução)

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 25 de janeiro de 2023, edição nº 2825

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.