Imagem Blog

Arte ao Redor

Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Museu das Culturas Indígenas é inaugurado em São Paulo

O novo espaço cultural da cidade fica localizado na Água Branca e terá entrada gratuita durante todo o mês de julho

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 jul 2022, 18h53 - Publicado em 1 jul 2022, 17h30

A capital paulista ganhou um novo espaço cultural nesta quinta-feira (30). Trata-se do Museu das Culturas Indígenas (MCI), projeto da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do governo estadual que será gerido pela ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) e o Instituto Maracá, entidade que tem o objetivo de proteger, difundir e valorizar o patrimônio cultural indígena.

+ Vertigo: Sandra Mazzini inaugura mostra individual no Farol Santander

Localizado no Complexo Baby Barione, ao lado do Parque Água Branca, na Zona Oeste de São Paulo, o projeto tem verba de R$ 14 milhões. O Conselho Indígena Aty Mirim, formado por representantes dos povos originários, também será responsável por conduzir a programação do museu.

Imagem mostra imagem de mulher indígena em parede branca.
Área de exposição interna do Museu de Culturas Indígenas. (Maurício Burim/Museu das Culturas Indígenas/Divulgação)

Com sete andares, espaço para exposições de longa e curta duração, centros de pesquisa e referência, auditório, administrativo e reserva técnica, o MCI está com três exposições em cartaz até o dia 31 de dezembro, incluindo uma na área externa, Ocupação Decoloniza – SP Terra Indígena, com grafismos Guarani e murais, como as onças da artista pataxó e curadora do museu Tamikuã Txihi (foto).

Também estão em exibição a mostra Ygapó: Terra Firme, do artista e curador do museu Denilson Baniwa, com produções contemporâneas, tradicionais, sonoras e visuais de músicos indígenas sobre a floresta Amazônica, e a exposição Invasão Colonial Yvy Opata – A terra vai acabar, do artista Xadalu Tupã Jekupé, que denuncia como territórios originários em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, estão sendo engolidos pelo crescimento urbano.

Além de Baniwa e Txihi, a curadoria do MCI também é assinada por Sandra Benites, pesquisadora e ativista Guarani. “Trata-se portanto de um território indígena e de uma instituição cultural indígena, feita para dar visibilidade às expressões e práticas culturais e artísticas indígenas e compartilhar com todos os públicos os modos de ser, estar e criar dos indígenas”, disse Sérgio Sá Leitão, secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Continua após a publicidade

Apesar de gratuito até o final do mês, é necessário agendar a visitação pelo Sympla. Museu das Culturas Indígenas. Rua Dona Germaine Burchard, 451, Água Branca. Ter. a dom., das 9h às 18h. Qui., das 9h às 20h. Grátis até 31/7. museudasculturasindigenas.org.br

+Assine a Vejinha a partir de 9,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.