Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Xuxa chama Bolsonaro de “genocida” e presidente responde

A apresentadora pediu que pessoas que apoiam o mandatário deixem de segui-la nas redes sociais

Por Redação VEJA São Paulo 12 out 2021, 19h13

A apresentadora Xuxa criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em seu Instagram na última segunda-feira (11). Ela reproduziu o vídeo em que Bolsonaro reclama por ter sido barrado do jogo do Santos no domingo (10) e o respondeu: “Estamos em uma pandemia, a lei serve para todos, porque assim protegemos as pessoas, já morreram 600 mil pessoas. Porque precisamos seguir o que os cientistas, médicos e a Organização Mundial da Saúde pedem”. 

No dia do jogo, a Vila Belmiro foi aberta ao público, mas exigia comprovante de vacinação para quem quisesse assistir à partida. O presidente questionou a razão de ele não poder entrar no estádio já que, segundo ele, teria “mais anticorpos do que quem tomou a vacina”. 

No entanto, especialistas afirmam que nem sempre a pessoa que se infectou com a Covid-19 cria a chamada “memória imunológica”, que é a capacidade de reconhecer uma segunda invasão e impedir seus estragos. Além disso, não se sabe por quanto tempo essa “proteção natural” duraria. A vacinação é imprescindível para a proteção individual e coletiva. 

Em outro trecho de sua publicação, Xuxa chama o presidente de genocida e pede que quem o segue deixe de segui-la: “Quem não faz isso, não segue as regras mundiais, é genocida (e ainda tem gente que vai querer argumentar). Por favor, deixe de me seguir, deixe de falar comigo. E você que é a favor da vida, assine o impeachment agora”. 

No Twitter, Bolsonaro rebateu a apresentadora: “Se você apoia Xuxa, peço que nos siga. Seria uma satisfação apontar fatos omitidos para que possamos sempre melhorar e unir nosso país!”

  • Continua após a publicidade
    Publicidade