Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Violência faz passageiro evitar Uber

Após relatos de roubos e sequestros, muitos estão voltando a usar táxis

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 4 fev 2017, 16h57 - Publicado em 4 fev 2017, 16h56

Após relatos de roubo e sequestro em carros do Uber, passageiros estão deixando de usar o aplicativo ou adotando estratégias de segurança por receio de serem vítimas de violência. Alguns dizem dar preferência para outros aplicativos que utilizam taxistas nas viagens.

A analista Wendy Salgado, de 35 anos, conta que deixou de usar o Uber há algumas semanas após ouvir relatos de roubo tanto de colegas como dos próprios motoristas do aplicativo. “Alguns amigos me diziam que não era seguro, mas quando os próprios motoristas começaram a relatar situações de insegurança que viveram, decidi que não tinha mais confiança em usar.”

Ela diz que não tem mais o Uber instalado no celular e passou a usar táxis. “Faço três ou quatro viagens por semana e achei que as chances de algo errado acontecer com o Uber eram muito grandes. Com os taxistas eu sei que há uma seleção, que eles possuem alvará da Prefeitura. Então, me senti mais segura”, afirma.

O economista Sérgio Rubinato Filho, 44, conta que anda diariamente de Uber para ir ao trabalho, mas tem tido receio de usar o aplicativo. No fim de janeiro, ele solicitou uma viagem na categoria UberX – não compartilhada -, mas a motorista estava com uma pessoa no banco do passageiro dianteiro.

“Ela me disse que era o filho dela e perguntou se havia algum problema. Eu disse que não, mas vi que ela estava muito tensa e que o homem não olhou para trás. Como ele estava com as mãos escondidas no meio das pernas, fiquei com medo e decidi sair do carro, disse que tinha esquecido algo em casa.”

Continua após a publicidade

Rubinato Filho conta que relatou o caso ao Uber por ter medo de que algo acontecesse com a motorista. “Eu não sei dizer se ela estava sendo coagida por aquele homem ou se ela também planejava algo.”

Depois disso, Rubinato Filho diz ter mais cuidado ao entrar nos carros do Uber – evita viagens compartilhadas e sempre confere se não há ninguém a mais no veículo. E observa a placa. Ele também tem dois filhos de 14 e 15 anos, que costumam usar o aplicativo. “Com eles, peço para que me avisem quando entram e saem do carro e chamem imediatamente se houver atitude suspeita”, conta.

Na quarta (1), uma mulher de 31 anos denunciou ter sido vítima de um sequestro relâmpago ao entrar em um carro do Uber, na Vila Olímpia, Zona Sul. Ela ficou por cerca de quatro horas com os ladrões, foi agredida, ameaçada de morte e teve de sacar 3 400 reais em agências bancárias e gastar 2 600 reais em uma loja de tênis para os assaltantes.

Ao relatar o caso à polícia, a vítima tinha dúvidas sobre o envolvimento do motorista no crime. A Secretaria da Segurança Pública informou ontem que registrou boletim de ocorrência por extorsão. O motorista também foi suspenso pela empresa.

Em nota, o Uber informou que, para o cadastro dos motoristas, é preciso apresentar carteira de habilitação com registro de EAR (exerce atividade remunerada) e, então, passar por “checagem de segurança”. O Uber não informou quais são os procedimentos de segurança. Segundo a empresa, os motoristas parceiros são “autônomos e livres para exercer suas atividades como melhor lhes convier”.

Disse também que a avaliação dos usuários ao fim das viagens serve para “balizar a qualidade do serviço”. Desde janeiro, o Uber passou a cobrar taxa extra de R$ 0,75 em cada viagem em todo o país, para apoiar ações de segurança a motoristas e usuários.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade