Continua após publicidade

“Tarcísio mentiu”, diz presidente do Sindicato dos Metroviários

Entidade decidiu em assembleia continuar a greve mesmo após decisão de Justiça pela volta ao trabalho; estado diz que sindicato descumpriu acordo

Por Clayton Freitas
Atualizado em 23 mar 2023, 18h14 - Publicado em 23 mar 2023, 14h38

Em entrevista na tarde desta quinta-feira (23), a presidente do Sindicato dos Metrovários, Camila Lisboa  afirmou que os metroviários continuarão a greve mesmo após a determinação da Justiça para volta ao trabalho . “O governador Tarcísio [Tarcísio de Freitas, do Republicanos] mentiu para a imprensa, para a população e metroviário”, afirmou. Em nota emitida quase quatro horas depois da declaração da dirigente, a assessoria de Tarcísio informou que foi o sindicato quem descumpriu o acordo (leia ao final).

+Justiça determina a retomada dos trabalhadores do metrô

A greve paralisou totalmente a operação das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata. As linhas 4-Amarela e 5-Lilás continuaram operando normalmente, já que são operadas por consórcios cujos trabalhadores não são vinculados ao Sindicato dos Metroviários. As linhas de trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) também operam normalmente. A greve levou a lotação dos ônibus e trânsito de mais de 800 km  na capital.

Radial leste congestionamento greve metrô
Greve do metrô: Radial leste na altura da estação Belém (Clayton Freitas/Veja SP)

A dirigente sindical afirmou que os metroviários estavam em negociação com o governo estadual desde o início do ano principalmente sobre o abone referente ao PLR (Participação de Lucros e Resultados), que, segundo ela, não é pago há três anos, e ainda a contratação de mais efetivo. Porém, ela diz que as tratativas pioraram no último mês, com o Metrô negando qualquer possibilidade de acordo.

Ela disse que a categoria aceitou, em assembleia realizada das 0h30 às 2h da madrugada desta quinta-feira, trabalhar com todo o efetivo desde que houvesse catraca livre. Por volta das 8h, ela informou ter recebido uma carta (leia íntegra abaixo) do presidente do Metrô, Paulo Menezes Figueiredo, dizendo que estava autorizada a catraca livre. “O Metrô não faria isso se não tivesse a autorização do governador”, afirmou.

Página: /
Continua após a publicidade

Camila lembrou ainda que o próprio governo do estado fez uma postagem em suas redes sociais dizendo que haveria catraca livre. “Nosso objetivo não é prejudicar a população, mas lutar pelos nossos direitos”, afirmou. “Se a cidade de São Paulo está um caos o responsável por isso é Tarcísio de Freitas”, disse.

Ela disse que ligou às 12h30 para Paulo Menezes dizendo que todos os funcionários já estavam a postos para trabalharem. Ela diz que o presidente do Metrô informou que dependia de uma liberação. Camila afirma que foi pega de surpresa com essa determinação judicial, já que contrariou um acordo que havia sido firmado entre o governo do estado e a categoria.

Continua após a publicidade
Greve do metrô: passageiros esperam sentados no chão pela abertura da estação Belém da linha 3-Vermelha do Metrô
Greve do metrô: passageiros esperam sentados no chão pela abertura da estação Belém da linha 3-Vermelha do Metrô (Clayton Freitas/Veja SP)

Logo depois do anúncio da decisão  judicial, ela diz que cerca de 2 000 metroviários participaram de uma nova assembleia e 80% deles decidiram por continuar a paralisação.

Uma nova reunião na Justiça trabalhista está prevista para esta quinta-feira, às 17h.

Continua após a publicidade

Resposta

Em nota encaminhada no final da tarde desta quinta-feira, a assessoria do governador Tarcísio de Freitas afirma que desde a noite de quarta-feira o Metrô buscou alternativas à greve para evitar transtornos à população.

“Nas primeiras horas do dia, o Metrô comunicou ao Sindicato dos Metroviários a autorização para o funcionamento do sistema com liberação total das catracas (catraca livre, entrada gratuita), com o retorno imediato de 100% dos metroviários para garantir a segurança dos passageiros. Esta liberação era uma condição do Sindicato para o retorno da operação, atendida pelo Metrô e não cumprida pelos metroviários”, afirma a nota emitida pelo Palácio dos Bandeirantes.

Continua após a publicidade

Segundo  o texto, o Metrô “tentou todas as formas de negociação, inclusive com a concessão de benefícios como o pagamento de progressões salariais”. “A empresa também cumpre integralmente com o acordo coletivo de trabalho e as leis trabalhistas, e considera incompreensível a postura do Sindicato dos Metroviários que acabou punindo o cidadão que depende do transporte público para ir ao seu trabalho, com impactos diretos em serviços como saúde e segurança, por exemplo”, informa a nota.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.