Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Salvador da Rima se pronuncia após prisão violenta: “Irritamos o sistema”

MC foi detido pela Polícia Militar e levado ao 67º DP, em Guaianases, na tarde de sábado

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 28 fev 2021, 20h24 - Publicado em 28 fev 2021, 20h07

O cantor de funk Gabriel Salvador, conhecido como Salvador da Rima, foi detido ontem, 27, na Zona Leste pela Polícia Militar e levado ao 67º Distrito Policial, em Guaianases, durante operação truculenta que viralizou nas redes sociais. Liberado à noite, hoje o artista usou o Instagram para explicar o ocorrido e afirmou “A Polícia Militar é opressora, é agressiva.”.

Os policiais, que justificaram a ação por constatarem aglomeração e som alto, entraram na casa de uma senhora para buscar o músico, que foi enforcado e sofreu mata-leão por ter “desrespeitado a ordem dos agentes”. A cena foi gravada por diversas pessoas presentes no momento e postada nas redes sociais, causando revolta pela truculência. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informa que não houve ilegalidade na operação.

Em resposta, Salvador explicou que haveria um jogo de futebol beneficente em Paraisópolis, onde distribuiriam cestas básicas para a comunidade, e as pessoas estavam reunidas aguardando para seguir em direção à favela da Zona Sul.  Segundo ele, os agentes o reconheceram, fazendo com que ele entrasse para a casa da mãe de um amigo ali presente, “Ela chegou para mim e falou ‘Gabriel, entra lá para dentro, os policiais estão na sua maldade, eu ouvi eles falando. Fica dentro de casa até acabar essa abordagem’ e eu concordei.”.

A confusão começou quando um dos PMs pediu para ele sair de dentro da residência, “Ele chegou em frente ao portão, apontou a peça [arma] na minha cara e falou ‘Vai vagabundo, sai aqui fora e encosta na parede’. Nós somos nascidos e criados numa comunidade periférica, estamos acostumados a ser abordados desde pequenininhos. Nunca resisti a nenhuma abordagem. Como que o policial vai encostar a peça na minha cara e eu vou falar não, certo? Só que a partir do momento que eu estou dentro de casa e ele mandou eu sair, eu falei não. Eu não tenho obrigação de sair.”.

Sem mandado, o policial entrou na casa e carregou Gabriel para fora, como mostram as imagens gravadas, “Pergunta se eles ficam entrando em mansão lá em Alphaville, lá no Aruã, aí chegam na nossa quebrada, querem ficar invadindo a casa dos outros.”, questionou o MC. Quando entrou na viatura, um dos policiais teria ameaçado o artista, “Ele disse: ‘É você que é o MC? Que gosta de ficar falando para c*ralho de opressão? Agora você vai ver o que é opressão'”.

O músico ainda disse que a ação policial foi feita para “prejudicá-lo”, mas acabou valorizando o seu trabalho, mostrando que ele “fala a verdade”, “Irritamos tanto o sistema que fizemos o sistema mostrar a cara para o Brasil inteiro.”.

Continua após a publicidade

Por fim, Salvador questionou, “Hoje era um moleque famoso, com dois milhões de seguidores, à luz do dia e várias pessoas gravando. E se é numa madrugada? Um moleque desconhecido? Um moleque preto? Vocês me falam, o que ia acontecer? Ali, os caras me agrediram e eu ainda tive a chance de sair vivo, contando essa história para vocês. E se fosse outro moleque?”.

Confira abaixo vídeos do momento da prisão.

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

  • Continua após a publicidade
    Publicidade