Clique e assine por apenas 5,90/mês

Salário de Neymar é 269 vezes maior que o de Marta

Levantamento da revista 'France Football' revela disparidade colossal entre ganhos de homens e mulheres no futebol

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 13 jun 2019, 16h23 - Publicado em 13 jun 2019, 16h21

A edição deste ano da Copa do Mundo de futebol feminino, disputada na França, tem tido um destaque inédito. Em especial, aqui no Brasil. Pela primeira vez, a TV nacional está transmitindo, em sinal aberto, todos os jogos da Seleção Brasileira.

Apesar do interesse em torno da competição indicar avanços no que diz respeito à igualdade de gênero, um levantamento feito em abril por uma das mais importantes revistas esportivas do mundo, a France Football, mostra que a desigualdade salarial entre homens e mulheres é algo que também ocorre no mundo do futebol.

A revista monta um ranking dos maiores salários no esporte, tanto na categoria masculina, quanto na feminina. O que se vê é uma disparidade colossal entre o que se paga a jogadores homens e o que se paga às mulheres.

Principal nome da Seleção Brasileira masculina, o atacante Neymar, por exemplo, é o terceiro jogador mais bem pago atualmente no mundo. O integrante do Paris Saint-Germain embolsa um salário anual de 396 milhões de reais.

Trata-se de um valor 269 vezes maior do que recebe por ano Marta, craque da Seleção feminina, cujo salário é de 1,47 milhão de reais. Hoje, a esportista, que já foi eleita seis vezes a melhor do mundo, defende o clube americano Orlando Pride.

Neymar recebe bem mais também em relação a Ada Hejerberg, atual melhor jogadora do mundo eleita pela Fifa. A atacante norueguesa, que atua pelo Lyon, ganha 227 vezes menos que o jogador brasileiro. O salário dela é de 1,73 milhão de reais.

Continua após a publicidade
Publicidade