Clique e assine por apenas 6,90/mês

Internautas organizam protesto contra cartilha “da família”

“O casamento homoafetivo está na contramão do propósito divino”, diz o texto; em nota, a empresa Hirota pediu desculpas

Por Redação VEJA São Paulo - 20 dez 2017, 12h41

Um protesto foi organizado pelo Facebook contra a cartilha “da família” distribuída pela rede de supermercado Hirota. O panfleto tinha um texto que condenava casamento gay, sexo fora do casamento e relações não monogâmicas. O ato deve ocorrer nesta quarta-feira (20), às 18 horas, em frente a uma unidade do mercado na Avenida Paulista, na região central de São Paulo.

“Todos protestando contra a cartilha da família distribuída por essa rede de supermercados. Esse pedido tacanho de desculpas não nos é suficiente. Vamos desfilar na frente desse supermercado e mostrar o nosso orgulho”, diz a descrição do evento.

Após a polêmica, a assessoria de imprensa do mercado liberou uma nota se desculpando pelo caso nesta terça (19).

“O Hirota Food Supermercados lamenta qualquer transtorno que tenha causado pela distribuição da cartilha da família. Reiteramos que em momento algum tivemos a intenção de polemizar, ofender ou discriminar qualquer forma de amor. Em nossos valores não há nenhum tipo de preconceito em relação a gênero, religião ou raça. Atendemos todas as famílias da mesma forma, com a mesma humildade e carinho. Nossas sinceras desculpas a todos”.

Continua após a publicidade

Até o início da tarde desta quarta-feira (20) a página do protesto na rede social tinha 739 presenças confirmadas.

Na página do Facebook, o mercado tem recebido diversas críticas, assim como promessas de boicote. Muita gente pressionou também a Daiso a dar um posicionamento sobre o assunto – a marca japonesa tem produtos revendidos em algumas unidades do supermercado. Diante da polêmica, foi divulgado um comunicado na tarde desta terça (19).

Por meio de suas redes sociais, a Daiso afirma que não concorda com “nenhum tipo de discriminação, seja ela de qualquer natureza” e não possui relação com “a divulgação de “pronunciamentos ou materiais ofensivos, que sejam divulgados e distribuídos por qualquer organização atrelada direta, ou indiretamente” à marca.

Confira o que dizia a cartilha “da família”:

Continua após a publicidade
Reprodução/Veja SP

 

Publicidade