Problemas mentais afastam oito guardas civis por dia na capital

Em 2016, 3 217 agentes foram tirado das ruas e passaram a fazer rondas de base ou cumprir tarefas administrativas

Por dia, ao menos oito guardas civis metropolitanos são afastados por problemas mentais na cidade de São Paulo. Foram 3 217 licenças no ano passado, de acordo com os dados da Secretaria Municipal de Gestão da prefeitura. É a taxa mais alta de afastamento de servidores da segurança pelo menos desde 2008. O número praticamente dobrou em relação a 2015, quando houve 1 762 casos.

Na prática, o efetivo de 5 800 guardas civis, que já é considerado abaixo do aceitável pela categoria, fica comprometido. Uma estimativa do Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos de São Paulo (Sindguardas) aponta ainda que ao menos 900 GCMs estão em funções readaptadas, ou seja, não podem trabalhar na rua e fazem a ronda de suas bases ou se ocupam de trabalhos administrativos.

Em dez anos, o número de guardas não aumentou na cidade. Ao mesmo tempo, as atribuições se diversificaram: foram criadas três inspetorias da guarda florestal do Município, com efetivo de 700 pessoas, e uma da Cracolândia, com pelo menos 250 pessoas. Além disso, outros 800 agentes passaram a atuar no combate ao comércio informal.

O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) havia prometido nomear 1 500 servidores até o fim do mandato, de um concurso realizado em 2013, mas só chamou cerca de 800. Antes disso, o último processo seletivo ocorreu em 2003. A gestão do prefeito João Doria (PSDB) deve contratar o restante dos aprovados.

O atual governo também tem deslocado os servidores para agir contra pichadores. Para resolver os problemas no município e atender novas demandas, a prefeitura costuma reduzir o efetivo de uma área para aumentar em outra. Em 2016, a prefeitura tirou guardas das escolas municipais para fiscalizar camelôs e multar motoristas com radar-pistola.

Em nota, a atual gestão diz que trabalha “no diagnóstico de todas as áreas, incluindo a questão do absenteísmo”. O ex-prefeito Fernando Haddad (PT) não comentou o caso.

O presidente do Sindguardas, Clóvis Roberto Pereira, se surpreendeu com os dados e afirmou que a maioria dos afastamentos de GCMs está ligada ao estresse no trabalho, por causa da falta de efetivo.

“Eles fazem uma jornada maior do que o normal e não conseguem tirar folgas. Só de março de 2015 para cá, o efetivo diminui em cerca de 120 pessoas e há 910 readaptados”, disse ele. Segundo Pereira, hoje, para realizar todas as atividades, o efeito da Guarda deveria ser de pelo menos 20 000 pessoas.

De acordo com a advogada Samara Rodella, que atua com guardas civis e policiais, um dos maiores problemas dos clientes é que eles são obrigados a trabalhar muito mais do que podem e deveriam. “Há uma impotência do guarda civil diante de tanta injustiça e perseguições. O afastamento vira uma válvula de escape.”

Segundo Samara, a Guarda costuma colocar a corregedoria para investigar os afastados. “Em vez de ajudá-los, (a GCM) expõe sua privacidade, tirando fotos do cotidiano com intuito de prejudicar ainda mais.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s