Clique e assine com até 89% de desconto

Doria diz que PM que agrediu pessoas rendidas em Paraisópolis será punido

Governador fez declaração depois que um novo vídeo registrando abusos da polícia durante operação começou a circular nas redes sociais

Por Ricardo Chapola Atualizado em 14 fev 2020, 15h49 - Publicado em 3 dez 2019, 17h15

O governador João Doria (PSDB) afirmou nesta terça-feira (3) que exigiu a punição do policial militar que apareceu em um novo vídeo agredindo moradores de Paraisópolis, na Zona Sul da capital. Doria fez o anúncio pelo Twitter.

As imagens, que revelam um agente da PM agredindo pessoas rendidas, foram divulgadas por moradores da comunidade dois dias depois de a PM ter realizado uma operação em um baile funk na região que culminou na morte de 9 pessoas – parte delas, menores de idade.

No post, o tucano disse que práticas como as vistas na gravação não condizem com o procedimento da polícia de São Paulo. “Ao tomar conhecimento do novo vídeo que mostra um policial agredindo jovens em uma esquina de Paraisópolis, exigi punição exemplar ao agressor, já afastado de suas funções”, escreveu. “Práticas como essa não condizem com o procedimento da Polícia de SP e serão veementemente condenadas”.

Em um dos vídeos, o policial obriga frequentadores do baile funk a saírem com as mãos para cima. Enquanto as pessoas deixam o local, o policial desfere golpes como uma barra. Uma das pancadas foi dada em um rapaz que usa muletas.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=KLvkwOhl8Eg?version=3&rel=1&fs=1&autohide=2&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&wmode=transparent%5D

/Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (2), o governador chegou a dizer que o comportamento da polícia em operações desse tipo “não muda”. No Twitter, Doria chama o policial flagrado no vídeo de “agressor” e classifica o episódio do fim de semana como “triste”. “A investigação rigorosa do triste episódio deste final de semana continua e, sempre que forem identificadas transgressões graves, serão punidas”, afirma o governador. “Em SP, não temos compromisso com o erro. Mais uma vez, me solidarizo com amigos e familiares dos jovens que perderam suas vidas”.

 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade