Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

O novo episódio do racha da família Medina

Briga que foi parar na Justiça culminou em partilha de bens milionária; Instituto Gabriel Medina, em Maresias, foi desmontado

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 24 set 2021, 18h07 - Publicado em 24 set 2021, 17h34

O racha da família Medina teve importante episódio consolidado recentemente com um acordo de partilha de bens entre o surfista Gabriel Medina e sua mãe, Simone. Segundo revelado em reportagem do UOL, uma briga causada pela mãe por conta da redução de repasse de Medina para ela e Charles Saldanha, padrasto de Medina, foi parar na Justiça e a questão foi solucionada com o surfista comprando a parte pertencente aos pais da SGM Esportes. A empresa foi criada por Simone e Charles para administrar a carreira do surfista. 

Segundo fontes próximas a Gabriel Medina, Simone se queixou quando o filho cortou de R$ 295 mil para R$ 200 mil um repasse mensal que ele fazia ao casal. Para Simone, o dinheiro que recebia era referente à parte dela e do marido na “sociedade” que mantinha na exploração da imagem do atleta Gabriel Medina. A questão foi parar na Justiça. 

Em entrevista ao blogueiro Leo Dias, em maio, Simone explicou sua insatisfação com a redução do valor recebido: “Eu simplesmente sou sócia da SGM Esportes. Eu e meu marido investimos muito no início da carreira, o Gabriel ainda não era Medina”. Com o acordo na Justiça, ela e Charles foram excluídos da sociedade da SMG Esportes no último dia 13 de agosto. 

Em uma espécie de partilha de bens, Gabriel Medina entregou alguns imóveis, avaliados em milhões de reais, e, em troca, o surfista proibiu o casal de usar seu nome e imagem. Já fora da sociedade, na última terça-feira (14), a matriarca alegou à Folha, na ocasião do fechamento do Instituto Gabriel Medina, que “Gabriel exigiu que eu e Charles renunciássemos aos cargos [ela presidia o instituto] e nos proibiu de usar seu nome e imagem”. 

No acordo, Simone Medina e Charles Saldanha ficaram com o prédio do Instituto Gabriel Medina – que começou a ser desmontado logo após a decisão judicial -, assim como uma loja de swimwear vizinha, localizados em Maresias. O conjunto, comprado pelo surfista por um total de R$ 1,4 milhão e reformado, está posto à venda por R$ 10 milhões, mas, diante da ociosidade, a mulher já aceita vendê-lo por R$ 8 milhões. O casal também ficou com uma casa em um condomínio de luxo pela qual pedem R$ 6 milhões e outra em um condomínio mais simples, onde a família morou antes de Gabriel ser campeão mundial, já vendida. Também houve o pagamento de R$ 5 milhões de Medina para a mãe.

Na divisão dos bens, Gabriel Medina ficou, além da SGM Esportes, com um condomínio de alto padrão, de seis casas, que ergueu com Charles, e com a casa que construiu em uma das pontas da praia, em que mora com a esposa Yasmin Brunet. Em uma das casas que ficaram com ele está morando Claudinho, pai do surfista. Os dois voltaram a ter contato após a briga de Medina com a mãe.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade