Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Mistérios da cidade: os peixinhos da 23 de Maio

O jardim de chuva, que abriga lebistes, dá função ecológica e antipoluente para a água que se acumulava na calçada da via

Por Sérgio Quintella Atualizado em 7 Maio 2021, 01h18 - Publicado em 7 Maio 2021, 06h00

A calçada sempre molhada por água que brotava de sete minas deu lugar recentemente a novos jardins de chuva na Avenida 23 de Maio, entre os viadutos Dona Paulina e Brigadeiro Luís Antônio. No local, a Subprefeitura da Sé jogou dezenas de unidades de lebistes, peixinhos que ajudam no controle biológico de larvas de mosquitos. Também chamado de biovaleta, o jardim serve para conter a poluição deixada por carros, como restos de borracha dos pneus.

peixes lebistes no jardim de chuva da 23 de maio
Alexandre Battibugli/Veja SP

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 12 de maio de 2021, edição nº 2737

  • Publicidade