Continua após publicidade

“Ele dirigiu por 16 horas para me buscar na Eslovênia na pandemia”

Camila Trama fala sobre as dificuldades que enfrentaram para manter o relacionamento estando em países diferentes durante a crise de Covid-19

Por Camila Trama, em depoimento a Fernanda Campos Almeida
Atualizado em 27 Maio 2024, 22h29 - Publicado em 4 fev 2022, 06h00

“Conheci Armand em uma happy hour em 2019, mas não conversamos. Ele tinha acabado de sair de Paris e moraria em São Paulo por dois anos a trabalho, sem saber nada em português. No ano seguinte, achei ele no Tinder e demos match. Era fevereiro de 2020. Armand já falava a língua superbem.

Eu o encontrei no bar Toca da Capivara, na Bela Vista, com outros amigos, ao som de um sambinha. Não deu tempo de termos um segundo encontro porque a pandemia começou e tudo fechou. Nós tínhamos gostado um do outro, mas não tivemos a oportunidade de evoluir a relação. Ficamos apenas conversando a distância por três meses até nos vermos novamente.

+Prefeitura anuncia 157 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas na cidade

Saímos algumas vezes e, em um dos dates, bebi um pouco demais e acabei chorando e me declarando a ele. Disse que o amava e queria que ele fosse meu namorado. Armand ficou até assustado, coitado. Mas, para ele, já éramos namorados.

Continua após a publicidade

A data da partida dele para a França ia se aproximando e nós não sabíamos o que fazer. Ele não queria passar mais tempo no Brasil, sentia saudades da família. Eu, por outro lado, estava engajada em uma empresa que tinha acabado de abrir.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

A quarentena se flexibilizou e combinei de visitá-lo em Paris. Assim que ele foi embora, a segunda onda de casos e mortes por Covid-19 se instalava. As fronteiras foram fechadas e os brasileiros não entravam mais em lugar algum. Os meses passavam e nada melhorava. Namorar a distância já era difícil e ficava pior ainda pelo fuso horário.

Continua após a publicidade
Foto de Camila e o noivo. Ambos são brancos, de cabelos e olhos escuros. Ela tem o cabelo liso e comprido e ele o cabelo enrolado e barba. Eles posam para a foto em frente à praia de Copacabana. Ambos usam roupas em tons escuros.
Casal em viagem ao Rio. (Arquivo Pessoal/Reprodução)

+BBB22: Sonia Abrão critica Tiago por fala sobre Silvio e família Abravanel

Pesquisei os únicos países que eu poderia entrar apenas com teste PCR negativo (ainda não tinha chegado a minha vez de me vacinar) e comprei passagem para a Eslovênia. Armand teve de dirigir por dezesseis horas para me buscar, já eu não poderia viajar da Eslovênia até a França de trem ou avião porque pediriam minha documentação. Ficamos de quarentena juntos por uma semana antes de fazer o trajeto até a França, fazendo uma parada na Itália. Um agente da imigração parou nosso carro no caminho e eu fingi que estava dormindo para que ele não descobrisse que eu não era francesa.

Continua após a publicidade

Eu não sabia nem falar ‘bonjour’. Deveríamos ter feito um novo teste PCR antes de entrar na França, mas nos deixaram passar porque Armand explicou que só estava voltando para casa. Durante meus dois meses lá, percebemos que faríamos qualquer coisa para continuar juntos. Ambos estavam felizes com suas carreiras, mas um de nós tinha de abrir mão disso. Fui eu quem decidiu começar uma vida nova na França. Deixei minha empresa e comecei a aprender francês. Armand veio com a mãe para São Paulo e fizemos um encontro entre famílias. Eles entenderam que íamos nos casar. Minha mãe também é casada com um francês, mas juro que isso não é uma tradição nossa.

Foto de Camila e o noivo. Ambos são brancos, de cabelos e olhos escuros. Ela tem o cabelo liso e comprido e ele o cabelo enrolado e barba. Eles posam para a foto um ao lado do outro.
Registro do último dia de Armand em São Paulo. (Arquivo Pessoal/Reprodução)

Antes de Armand ir embora, corremos até um shopping e compramos alianças um para o outro no impulso. Elas nem sequer são do mesmo par.

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Quando me preparava para morar com Armand, tive problemas para viajar novamente. Eu fui vacinada com CoronaVac, que até então não era aceita na França. Comprei passagem para Barcelona, na Espanha, e Armand dirigiu dez horas para me buscar. Brinco que esse relacionamento precisou de muita gasolina.

Demos entrada no registro da nossa união na França e a cerimônia será em março. O plano é aplicar para o visto de longa duração, começar uma pós-graduação e achar um emprego aqui. Está sendo incrível conhecer a cidade pelos olhos dele. Se algo dessa aventura não der certo, pelo menos vivemos momentos lindos juntos.”

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 9 de fevereiro de 2022, edição nº 2775

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.