Por falta de dinheiro, posto de saúde prometido por Doria está paralisado

Construção no Grajaú é alvo de impasse entre ONG que cedeu o terreno e prefeitura; entenda o caso

Prometida para ser entregue em fevereiro deste ano, a Unidade Básica de Saúde (UBS) do Grajaú, no extremo da Zona Sul da metrópole, amarga um período abandono que já dura três meses, justamente em sua fase de finalização. O lugar teve um aporte de 2 milhões de reais de empresas privadas e necessita de mais 600 000 para os acertos finais.

O projeto foi idealizado por Roberto Loeb, arquiteto e presidente do Instituto Anchieta Grajaú – que atende 500 crianças no entorno com atividades educacionais e culturais – a instituição foi doadora do terreno de cerca de 1 000 metros quadrados onde o equipamento será montado. Também foi Loeb o responsável por reunir as empresas que bancaram o projeto até esse ponto.

Para conseguir pagar o final do empreendimento, no entanto, ficou difícil encontrar empresários interessados e a prefeitura não ofereceu apoio. “Trata-se de um bem público, ele poderiam tentar intermediar mais parcerias, até agora, a iniciativa privada fez tudo sozinha”, afirma Loeb.

Responsáveis do IAG tentam contato com a Secretaria de Saúde e com a prefeitura regional de Capela do Socorro, que administra a área, para tentar algum tipo de aporte ou apoio para viabilizar parcerias, mas sem sucesso. Com a intenção de evitar novas ocorrências no local, a instituição contratou seguranças para olhar a construção durante 24 horas. Essa vigilância demanda 6 000 reais por mês.

No início das obras, o então prefeito João Doria fez um vídeo de divulgação do serviço em suas redes sociais, chegando a afirmar que o local teria equipamentos “de última geração” e “ar condicionado em todas as salas”. Confira:

Procurada, a Prefeitura Regional de Capela do Socorro afirmou que as obras devem ser retomadas e a inauguração da UBS será em agosto. “As edificações foram orçadas inicialmente (setembro de 2017) em 3 milhões de reais, sem custo para a administração municipal, pois seriam viabilizadas pela iniciativa privada.”, diz o documento. Além disso, afirma que a responsável pelo atraso das obras é a patrocinadora, que estaria sem recursos.

Anunciada no início dos trabalhos como uma das patrocinadoras do projeto, a Libercon Engenharia foi quem comandou a obra e afirma ter completado o serviço. “Fizemos até mais do que o combinado. Passamos de 1 milhão de reais doados, além de prestar serviços”, afirmou Hailton Liberatore, um dos sócios.

Nesse empasse, ficam sem resposta os moradores do entorno, que contavam com a obra para ter seus exames realizados. “A gente vê que está tudo bem atrasado, achamos que não vai sair este ano” afirma o professor de música Julio Machado, de 37 anos, há dezoito morador da região. “Seria muito importante para nós essa inauguração, principalmente porque os outros hospitais aqui perto são ruins”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s