Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Tomás fala sobre os últimos momentos do pai, Bruno Covas: ‘Batalhou muito’

O jovem de 15 anos relata diálogo antes de o pai ser sedado e afirma que o prefeito foi corajoso e positivo até o último dia

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 24 Maio 2021, 18h23 - Publicado em 24 Maio 2021, 11h39

O filho de Bruno Covas, Tomás, de 15 anos, contou que ficou ao lado do pai durante todo tempo em que ele estava sedado. De acordo com o relato feito no último domingo (23) ao programa Fantástico, o prefeito de São Paulo se mostrava bastante esperançoso em seus últimos dias, ao contrário do que dizia algumas reportagens. 

“Era totalmente ao contrário o clima do hospital. Ele foi muito guerreiro. Batalhou muito. Ele sempre esteve com coragem para enfrentar a doença. A gente sentia a vontade que ele tinha. O sorriso no rosto no dia a dia”, disse Tomás. 

Bruno Covas ao lado do filho, Tomás
Bruno Covas ao lado do filho, Tomás Reprodução TV Globo/Veja SP

Na última conversa entre os dois, Covas desejou sorte para o filho, pois Tomás encararia uma prova na escola. Depois, ele encontrou o pai já sedado. “Foi muito forte pra mim. Fiquei mal, muito mal. Depois de uma hora tentei ficar um pouco mais tranquilo, voltei lá e fiquei 100% do tempo do lado dele”. 

O ex-prefeito de São Paulo também recebeu as visitas da mãe do jovem, Karen Ichiba, e de seu cachorro de estimação, Volpi. “A gente ficou do lado dele, abraçou e falou para ele descansar”, diz Tomás. “Teve uma sensação de que ele esperou eu aceitar e conversar com ele sobre isso”.  

Continua após a publicidade

Fanático pelo Santos, Covas levou o filho na final da Copa Libertadores, sendo um episódio que repercutiu negativamente pelas aglomerações geradas no estádio. “Foi pelo coração. Ele tinha esse desejo de me levar à uma final da Libertadores”. Assim como o avô Mario Covas, Bruno foi enterrado na cidade homônima ao time. 

Bruno Covas faleceu dia 16 de maio, aos 41 anos de idade. O prefeito lutava contra um câncer desde outubro de 2019. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o início do mês, após exames de rotina detectarem um sangramento no tumor da cárdia. Ricardo Nunes, seu vice, assumirá o cargo de prefeito da capital.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Continua após a publicidade

Publicidade