Clique e assine por apenas 5,90/mês

Doria anuncia transporte gratuito para servidores na sexta (28)

Prefeito anunciou uma parceria com com o Uber e com para oferecer corridas grátis a funcionários municipais que não aderirem à greve geral

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 26 abr 2017, 19h45 - Publicado em 26 abr 2017, 19h36

Depois de afirmar que os servidores que aderirem à greve geral terão descontos no salário, o prefeito João Doria (PSDB) anunciou uma parceria com com o Uber e com a 99, empresa que gerencia os serviços 99POP e 99Táxis para oferecer corridas grátis a funcionários municipais na sexta (28).

 

Em vídeo publicado nesta quarta (26) no Facebook, Doria convocou funcionários a ignorar a convocação para o protesto e afirmou que “só quem não quer trabalhar vai fazer greve” e que “não é justa nem a greve, nem a manifestação”.

Estima-se que o número de carros que atendem pelo Uber gire em torno de 50 000, enquanto 47 000 circulam pela 99. A Prefeitura emprega mais 129 000 funcionários na administração direta.

Várias categorias profissionais confirmaram adesão ao protesto contra as reformas de Michel Temer (PMDB) para as leis trabalhistas e a Previdência Social. Ambos os projetos tramitam no Congresso Nacional. Bancários, professores, metroviários, motoristas de ônibus, pilotos e comissários de voo irão interromper as atividades em São Paulo

Continua após a publicidade

Bilhete Único

Pela manhã, o prefeito anunciou que até junho serão feitos os primeiros testes de uso do bilhete único com celular nos ônibus. Até 2020, o prefeito quer abolir o cartão físico do bilhete único e, consequentemente, os cobradores e o atual modelo de catracas.

Segundo o prefeito, a nova tecnologia que vai substituir o cartão pelo celular já existe e foi uma experiência trazida de Seul, na Coreia do Sul, onde esteve há duas semanas. O bilhete único representa, de acordo com Doria, 94% de todo o sistema – outros 6% ainda fazem pagamento em dinheiro.

“O dinheiro vai desaparecer e, muito rapidamente, vai desaparecer o cartão também. Você vai utilizar o celular”, afirmou. “Vamos testar muito em breve. No final de maio, começo de junho, vamos ter uma linha ou duas testando o uso do celular como meio de pagamento para começar a fazer essa experiência que lá em Seul, é generalizada. Lá nem usa mais cartão.”

No interior dos ônibus e nos terminais, serão disponibilizados carregadores para baterias dos celulares que estejam descarregados. O tucano explicou que o uso do celular é uma forma de combater as fraudes.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade