Clique e assine por apenas 6,90/mês

Cresce o número de adolescentes que não estudam e nem trabalham

Crise econômica que o país enfrenta é uma das causas dessa situação que fez a chamada geração "nem-nem" aumentar na cidade

Por Adriana Farias - 20 Sep 2018, 17h26

O número de adolescentes de 15 a 17 anos que não estudam e nem trabalham cresceu 26% na cidade de São Paulo entre 2016 e 2017, segundo a mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua do IBGE. Essa geração é a chamada de “nem-nem”.

Em 2017, o instituto registrou 39 000 adolescentes que não estavam inseridos no mercado de trabalho e também não haviam se matriculado em nenhuma escola, faculdade, curso técnico de nível médio ou de qualificação profissional. Em 2016, o dado era menor de 31 000.

A situação é explicada, em parte, devido à crise que o país vem enfrentando nos últimos anos. O desemprego não só atinge os mais jovens, como também os trabalhadores mais velhos que gerem os lares onde esses adolescentes moram. Dessa forma, as oportunidades de estudo diminuem mais ainda.

Publicidade