Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Concessionária descobre sítio arqueológico em obra do metrô

Materiais estão a três metros de profundidade da futura estação 14 Bis da linha 6-laranja do metrô e ainda serão resgatados para análise

Por Clayton Freitas Atualizado em 15 jun 2022, 18h32 - Publicado em 15 jun 2022, 18h30

A concessionária responsável por construir a linha 6-Laranja do metrô informou ter descoberto vestígios arqueológicos nas obras da futura Estação 14 Bis, no Bixiga, região central da capital.

+Departamento de narcóticos usa carro de 500 000 reais de traficante

Os materiais foram identificados durante as escavações feitas em abril e estão a três metros de profundidade, segundo a Linha Uni. Eles não foram retirados e isso só poderá ser feito após execução das paredes de contenção do canteiro, medida necessária para dar mais segurança ao trabalho.  A informação, inicialmente publicada pelo portal Guia Negro, foi confirmada pela Vejinha.

A empresa A Lasca Arqueologia é a responsável pelo programa de preservação e monitoramento dos patrimônios tombados ou não no entorno das futuras estações da linha 6-Laranja. A linha terá 15 km de extensão, 15 paradas, e previsão de transportar 633 mil passageiros por dia.

+Prefeitura tenta, de novo, tirar do papel projeto de banheiros públicos

A caracterização e descoberta do sítio arqueológico tem aval do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), segundo a concessionária.

Continua após a publicidade

Saracura

Procurado, o Iphan informou que a denominação do sítio é Saracura-14 Bis, e ele data de uma época mais recente, do século XX. O projeto de pesquisa arqueológica em andamento a respeito do sítio, feito pela empresa A Lasca Arqueologia e enviado ao instituto, informa que a região abrigou um dos primeiros quilombos da cidade de São Paulo, o Quilombo da Saracura. O documento indica que o local serviu de rota de fuga de pessoas negras escravizadas.

Os materiais já identificados são louças, vidros e moedas. “Os vestígios diagnosticados até o momento durante a pesquisa apresentam origem mais recente em decorrência do aterramento do córrego Saracura realizado no início do século XX no período do início da industrialização da cidade, em que o contexto original dos vestígios pode ter sido conturbado”, informa nota do Iphan.

+Nunes sanciona projeto que transforma praça Princesa Isabel em parque

Questionado a respeito da relevância dos vestígios, o instituto informou que as pesquisas estão sendo desenvolvidas pela empresa de consultoria especializada contratada ela Linha Uni. “Todos os sítios arqueológicos brasileiros possuem a mesma importância para Iphan. São bens da união que são tratados por meio das mesmas políticas de proteção. No que tange o valor acadêmico ou social, apenas os resultados das pesquisas mais aprofundadas poderão inferir”, diz o instituto.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)