Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Prefeitura tenta, de novo, tirar do papel projeto de banheiros públicos

Licitação prevê 200 sanitários e 200 bebedouros espalhados por toda a cidade; primeiro anúncio de projeto foi há cinco anos

Por Redação VEJA São Paulo 15 jun 2022, 14h04

Será que agora vai? Assim como em outras oportunidades, a Prefeitura de São Paulo anunciou que a capital terá sanitários públicos e bebedouros espalhados pelos pontos de maior movimentação da capital. Se não houver nenhum impedimento, as empresas que vão instalar e gerenciar o serviço devem ser conhecidas no final deste mês.

+Nunes sanciona projeto que transforma praça Princesa Isabel em parque

A ideia é de espalhar 200 banheiros e 200 bebedouros em praças e outros locais públicos de maior movimentação, número que é um quarto da proposta inicial, de 800, lançada em 2017 ainda quando João Doria (PSDB) era prefeito.

Uma lei chegou a ser aprovada dando aval para que os equipamentos fossem instalados. Em troca da empresa instalar a estrutura e fazer a sua operação e manutenção, ela poderá explorar comercialmente as laterais da estrutura, que, à época, chegou a ganhar um projeto-piloto na praça Dom José Gaspar com o sugestivo lema “Estou aqui para tirar você do aperto”.

+Bolsonaro veta retorno do despacho gratuito de bagagem em avião

A quantidade de banheiros prometidas foi caindo cada vez que a ideia era questionada, seja pela Justiça ou apontamentos do TCM (Tribunal de Contas do Município), que sinalizava várias irregularidades a cada vez que o processo foi apresentado. O formato passou de 800 para 600, depois para 400 até chegar ao número atual, de 200.

Continua após a publicidade

A prefeitura diz, assim como já o fez em outras oportunidades, ter incorporado as recomendações do TCM.

O prazo de duração do contrato é de 15 anos. Todos os sanitários devem contar com acessibilidade, sensores de presença, monitoramento por câmeras e dispositivos antivandalismo.

+Estado de São Paulo confirma terceiro caso de varíola do macaco

Segundo o plano de negócios, o custo para implantação total de todos os banheiros e bebedouros deve ser de 12 milhões de reais, sendo 9,6 milhões destinados ao custo da obra, ligação de água, esgoto e energia. As câmeras de segurança devem consumir 1,3 milhão de reais e outro 1 milhão deve ser empregado para instalação dos painéis publicitários.

Pelos cálculos da prefeitura, a concessão renderá benefícios financeiros equivalentes a R$ 190, valor que a prefeitura gastaria para instalar e manter o serviço a ser tocado pela iniciativa privada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)