Continua após publicidade

Prefeitura tenta, de novo, tirar do papel projeto de banheiros públicos

Licitação prevê 200 sanitários e 200 bebedouros espalhados por toda a cidade; primeiro anúncio de projeto foi há cinco anos

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 jun 2022, 14h04

Será que agora vai? Assim como em outras oportunidades, a Prefeitura de São Paulo anunciou que a capital terá sanitários públicos e bebedouros espalhados pelos pontos de maior movimentação da capital. Se não houver nenhum impedimento, as empresas que vão instalar e gerenciar o serviço devem ser conhecidas no final deste mês.

+Nunes sanciona projeto que transforma praça Princesa Isabel em parque

A ideia é de espalhar 200 banheiros e 200 bebedouros em praças e outros locais públicos de maior movimentação, número que é um quarto da proposta inicial, de 800, lançada em 2017 ainda quando João Doria (PSDB) era prefeito.

Uma lei chegou a ser aprovada dando aval para que os equipamentos fossem instalados. Em troca da empresa instalar a estrutura e fazer a sua operação e manutenção, ela poderá explorar comercialmente as laterais da estrutura, que, à época, chegou a ganhar um projeto-piloto na praça Dom José Gaspar com o sugestivo lema “Estou aqui para tirar você do aperto”.

+Bolsonaro veta retorno do despacho gratuito de bagagem em avião

A quantidade de banheiros prometidas foi caindo cada vez que a ideia era questionada, seja pela Justiça ou apontamentos do TCM (Tribunal de Contas do Município), que sinalizava várias irregularidades a cada vez que o processo foi apresentado. O formato passou de 800 para 600, depois para 400 até chegar ao número atual, de 200.

A prefeitura diz, assim como já o fez em outras oportunidades, ter incorporado as recomendações do TCM.

O prazo de duração do contrato é de 15 anos. Todos os sanitários devem contar com acessibilidade, sensores de presença, monitoramento por câmeras e dispositivos antivandalismo.

+Estado de São Paulo confirma terceiro caso de varíola do macaco

Segundo o plano de negócios, o custo para implantação total de todos os banheiros e bebedouros deve ser de 12 milhões de reais, sendo 9,6 milhões destinados ao custo da obra, ligação de água, esgoto e energia. As câmeras de segurança devem consumir 1,3 milhão de reais e outro 1 milhão deve ser empregado para instalação dos painéis publicitários.

Pelos cálculos da prefeitura, a concessão renderá benefícios financeiros equivalentes a R$ 190, valor que a prefeitura gastaria para instalar e manter o serviço a ser tocado pela iniciativa privada.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.