Clique e assine por apenas 5,90/mês

Prefeitura suspende concessão do Vale do Anhangabaú

Edital para concessão de um dos cartões postais da cidade foi publicado em 2020. Obras começaram em 2019

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 26 ago 2020, 13h04 - Publicado em 26 ago 2020, 12h17

A suspensão da concessão do Vale do Anhangabaú pela Prefeitura de São Paulo foi comunicada nesta quarta-feira (26) no Diário Oficial. Hoje deveriam ser abertos os envelopes com as propostas das concessionárias interessadas em gerir o espaço pelo período de dez anos.

A paralisação do processo se deve ao apontamento de falhas pelo Tribunal de Contas do Município. O Ministério Público também avalia uma representação feita pela sociedade civil acerca da falta de transparência.

Um dos problemas apontados pelo MP é a falta de diálogo com os moradores.  Houve uma única audiência pública para discussão do projeto, durante a pandemia, por meio do aplicativo Zoom. A Prefeitura afirmou ao G1 que comparecerão à reunião 84 pessoas, sem contar as 122 visualizações no Youtube. 

De acordo com Conselho Participativo Municipal (CPM) da Sé essa audiência não foi suficiente para esclarecer dúvidas e o fato de ser feita via internet prejudicou o acesso de pessoas em vulnerabilidade social, que vivem na região. 

O edital de licitação para concessão do Vale do Anhangabaú foi publicado em 2020. Em julho de 2019, as obras no lugar foram iniciadas. A projeto visa aumentar a circulação de pessoas no centro de São Paulo, bem como alavancar o turismo na região. O desejo pela  reconstrução do espaço é antigo e remonta a 2007 e a gestão Kassab (PSD).

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade