Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Anderson Birman: ofensiva fashion

Depois da confusão com a linha Pelemania, o dono da Arezzo garante que não vai repetir a experiência

Por Alvaro Leme, Leonam Bernardo e Ricky Hiraoka Atualizado em 5 dez 2016, 17h30 - Publicado em 29 dez 2011, 23h51

Não é difícil saber quando um tema agrada ou ofende determinados grupos hoje em dia. Basta dar uma olhada nas discussões das redes sociais. Em abril, a vítima dos manifestantes foi a grife de roupas e acessórios femininos Arezzo, criticada por ter lançado uma linha batizada de Pelemania, de bolsas, sapatos e outros itens confeccionados com matéria-prima vinda de raposas e coelhos. “A pele está na moda”, explicou Maythe Birman, mulher do dono da empresa, Anderson Birman. “As mesmas pessoas que são contra o uso por questão ecológica calçam sapatos de couro e vão ao restaurante exclusivamente para comer carne.”

+ Conheça os paulistanos que deram o que falar em 2011

+ Em entrevista, dono da Arezzo fala sobre a confusão com o linha de peles exóticas

+ A indústria da moda sobrevive sem pele de animais?

Diante do bafafá, a marca decidiu que o melhor a fazer era recolher todas as peças e suspender as vendas. “Não pretendemos repetir essa experiência”, declarou Anderson Birman.

Continua após a publicidade
Publicidade