Clique e assine com até 89% de desconto
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Piloto freelancer de Val Marchiori morre em acidente aéreo em Paraty

O comandante Sidney Prado, de 41 anos, é uma das duas vítimas da queda do avião ocorrida domingo (3) na região de Paraty. Ele pilotava um King Air C90Gti, propriedade da Rede Shibata Supermercados. A nave saiu do Campo de Marte rumo a Paraty e tentou pousar três vezes antes de sofrer a queda em área de mata […]

Por João Batista Jr. Atualizado em 26 fev 2017, 13h43 - Publicado em 4 jan 2016, 11h36
Sidney Prado e Val Marchiori: "Ele vai fazer muita falta" (Foto: Acervo Pessoal)

Sidney Prado e Val Marchiori: “Ele era um piloto excepcional” (Foto: Acervo Pessoal)

O comandante Sidney Prado, de 41 anos, é uma das duas vítimas da queda do avião ocorrida domingo (3) na região de Paraty. Ele pilotava um King Air C90Gti, propriedade da Rede Shibata Supermercados. A nave saiu do Campo de Marte rumo a Paraty e tentou pousar três vezes antes de sofrer a queda em área de mata fechada.

Dirigente do Campo de Marte, Fadi Younes teve Sidney Prado como seu copiloto. “Há três anos, ele assumiu o cargo de comandante de King Air”, diz. “Ele trabalhava como freelancer, então tinha uma legião de clientes. Vai fazer muita falta.” Prado era casado e deixa um filho de 9 anos de idade.

A apresentadora e socialite Val Marchiori está em choque com a notícia. Ela, que era cliente e amiga do rapaz, falou sobre o profissional a VEJA SÃO PAULO:

Como soube do ocorrido?
Estou aqui em Angra, ao lado do acidente. O avião que ele pilotava ficou desaparecido, então os nossos amigos nos avisaram. Quando soubemos da notícia do desaparecimento da aeronave, ainda havia a esperança de ele aparecer. Agora, com a confirmação da queda, todos estamos em choque. Ele era um piloto excepcional.

+ Bombeiros localizam aeronave com dois corpos em Paraty

O Sidney chegou a ser seu piloto?
Sim, voei com ele inúmeras vezes. Ele era especialista em voar São Paulo-Angra, fazia cinco voos do tipo em um único dia. Não era meu funcionário exclusivo. Muitos empresários fretam seus aviões para dividir as despesas, por isso já loquei avião tendo ele como piloto. O Sidney era cauteloso. Não voava com tempo ruim, era divertido. Vai fazer falta – sem falar que era bonitão. Eu brincava com ele: ‘Se não fosse piloto, você poderia ser modelo’.

Continua após a publicidade
Publicidade