Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Humberto Abdo (Maria Carolina Matheus da Silva) Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Médica aproveitou auge das lives para investir na carreira de cantora

Aos 56 anos, a anestesista Rosa Avilla gravou seu primeiro álbum, com repertório de canções italianas, e se apresenta para os vizinhos em Moema

Por Humberto Abdo Atualizado em 19 jul 2021, 15h05 - Publicado em 23 abr 2021, 06h00

Na varanda de casa, Rosa Avilla encontrou um respiro para a rotina de médica anestesista, profissão que exerce desde os anos 1990. Aos 56 anos, a paulistana aproveitou o auge das lives musicais da pandemia para gravar seu primeiro álbum, com repertório de canções italianas, e se apresentar para os vizinhos em Moema. “Mas a música veio primeiro para mim. Eu cantava desde os 9 anos na igreja e cheguei a participar de um programa de TV”, relembra.

Sem incentivo da família para a carreira artística, Rosa apostou na faculdade de medicina e retomou o talento musical na mesma época em que europeus viralizaram nas redes sociais ao cantar na janela durante o isolamento. “O povo italiano é muito musical. Quando minha família se reúne, todos se põem a cantar. Meu pai, que era napolitano, passava o dia todo cantarolando em casa.” Como anestesista, Rosa atende a vários hospitais da capital e mantém as lives no terraço ao lado do maestro David Pasqua. “Decidi me dar essa chance e comecei a fazer shows, gravar clipes e ganhar alguns fãs… Meus pacientes me encontram nas redes e adoram!”

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 28 de abril de 2021, edição nº 2735

Continua após a publicidade

Publicidade