Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Desembargador que humilhou guarda em Santos ainda recebe salário

Apesar da repercussão negativa após Eduardo Almeida ter se recusado a usar máscara na praia, legislação garante sua remuneração de quase R$ 35 mil

Por Humberto Abdo Atualizado em 13 jan 2021, 16h34 - Publicado em 15 jan 2021, 06h00

“Tenha dó!”, retrucou o desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha de Siqueira ao ser questionado sobre seu salário de quase R$ 35 mil, que continua a ser pago normalmente mesmo após a repercussão do vídeo em que aparece humilhando um guarda civil em Santos, no ano passado. A confusão ocorreu após Siqueira se recusar a usar máscara protetora na praia. “Deixei de fazer horas extras após esse episódio, as pessoas me reconhecem muito na rua agora. Quando saio de casa, saio preocupado”, lamenta o guarda Cícero Hilário Roza. Em um processo civil, Siqueira afirma ter sido vítima de armação e alega fazer tratamento para problemas psicológicos. Segundo seu advogado Marco Barone, ele está afastado de suas funções, mas “recebe vencimentos de acordo com a lei”. Em nota, o Tribunal de Justiça reforça que as normas atuais garantem o pagamento integral até a decisão final de processo administrativo disciplinar.

Publicado em VEJA São Paulo de 20 de janeiro de 2021, edição nº 2721.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Continua após a publicidade
Publicidade