Clique e assine por apenas 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade.

Caio Castro se diz sócio de construtora, mas Receita não tem registro

Ele, que se promove nas redes sociais como empresário, diz participar do quadro da Nossolar, na Praia Grande, e de hamburgueria

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 17 Jan 2020, 18h55 - Publicado em 17 Jan 2020, 06h00

O pessoal do mercado publicitário tem desconfiado da propaganda do ator Caio Castro, 30. Ele se promove nas redes sociais como empresário. Em 2017, anunciou participação na rede de hamburguerias alagoana The Black Beef. Agora, surge como sócio da construtora Nossolar, na Praia Grande, e propaga que gera mais de 2 000 empregos. A questão: Caio não está no quadro societário de nenhuma dessas organizações.

De acordo com dados da Receita Federal e de juntas comerciais, o ator só é proprietário da C3, agência de produções no Bosque da Saúde, com capital social de 20 000 reais. “Ele recebe cachê baseado em participação nos lucros, ou seja, contrato típico de garoto-propaganda, mas diz por aí que é dono dos negócios”, afirma um executivo do ramo.

O empresário de Caio e os donos das firmas parceiras garantem que há participação nas companhias, mas não quiseram mostrar documentos. “Posso ter um contrato de gaveta ou dar menos de 1% da minha empresa, aí ele já é meu sócio”, acredita Rodrigo Pacheco, dono da Nossolar.

De acordo com a assessoria de imprensa da Receita Federal e advogados especialistas em direito empresarial, o quadro de sócios e administradores (QSA) de qualquer empresa trata-se de um documento público e precisa se manter atualizado. O nome do sócio precisa constar nesse documento.

Continua após a publicidade

Abaixo, as certidões do QSA da Nossolar e da The Black Beef:

caio castro nosso lar
Reprodução/Veja SP
caio black beef
Reprodução/Veja SP
Reprodução/Veja SP
Reprodução/Veja SP

Agora, o documento da C3, agência de Caio e sócios:

Reprodução/Veja SP

 

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 22 de janeiro de 2020, edição nº 2670.

Publicidade