Clique e assine por apenas 6,90/mês
São Paulo nas Alturas Por Raul Juste Lores Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura

#SPsonha: projeto pensa torre no lugar de edifício que desabou no centro

Plano do arquiteto André Scarpa escancara a possibilidade de aumentar a capacidade de moradia daquele terreno, antes do Wilton Paes de Almeida

Por Raul Juste Lores - Atualizado em 17 Jan 2020, 14h10 - Publicado em 17 Jan 2020, 06h00

A prefeitura está em negociações com o governo federal para tentar construir moradia no terreno onde ficava o Edifício Wilton Paes de Almeida, aquele que desabou em 1° de maio de 2018, após anos de descaso público. Apesar de a iniciativa corrigir uma falha histórica (todos os prefeitos falam em habitação como a virada certeira para o centro, mas o número de unidades entregues ali é sempre irrisório), o projeto proposto é de uma timidez alarmante.

Se o antigo prédio de pele de vidro chegou a abrigar 290 famílias em seus tempos de abandono e ocupação, a proposta municipal agora é de fazer míseros 56 apartamentos de dois quartos, em um prédio que terá catorze andares, dez a menos que o antigo ocupante.

A maior culpa é da legislação paulistana, que tem favorecido o espraiamento da cidade e encareceu o metro quadrado das áreas centrais nas últimas décadas, ao limitar paulatinamente o potencial construtivo em qualquer terreno. Quando não se permite crescer para cima, nem se adensa, acaba havendo uma expansão para os lados e para as periferias.

Scarpa sugere uma nova torre que tenta repetir o volume do belo edifício projetado por Roger Zmekhol em 1961, mas com dois vazios Projeto de André Scarpa e Pamela Gomes/Divulgação

O arquiteto André Scarpa sugere uma alternativa que, apesar de respeitar a legislação em vigor, escancara a possibilidade de aumentar a capacidade de moradia daquele terreno. “O volume construído do antigo edifício era quatro vezes maior que o do proposto pela prefeitura. A altura de 48 metros é bem inferior aos 70 metros do Wilton, que tinha dezessete vezes a área do terreno, de 650 metros quadrados, em volume de construção”, explica.

Continua após a publicidade

Scarpa sugere uma nova torre que tenta repetir o volume do belo edifício projetado por Roger Zmekhol em 1961, mas com dois vazios — “com possibilidade de incremento de mais unidades no futuro, se as leis evoluírem”, provoca. “Nesses dois andares vazios, caberiam mais trinta quartos de aluguel social.”

O térreo do prédio seria aberto, em conexão mais ampla com o Largo do Paissandu e uma possibilidade de passagem para a vizinha igreja luterana. Lojas na entrada estariam junto do acesso para um restaurante-escola, voltado à capacitação de pessoas em situação de rua e membros de movimentos de moradia.

Um segundo térreo, elevado, sobre o restaurante, poderia conectar-se a uma passarela de acesso ligada às paradas de ônibus da Avenida Rio Branco.

O térreo do prédio seria aberto, em conexão mais ampla com o Largo do Paissandu e uma possibilidade de passagem para a vizinha igreja Projeto de André Scarpa e Pamela Gomes/Divulgação

Em conversas com o incorporador André Czitrom, que constrói habitação popular no centro, ambos se deram conta de que até dentro dos limites da Operação Urbana Centro é possível acrescentar mais espaço. Um equipamento cultural não seria computado pelas regras atuais. Com o déficit de quase 500 000 moradias na cidade e a subutilização de tantos imóveis no centro, mais ousadia é bem-vinda.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 22 de janeiro de 2020, edição nº 2670.

Publicidade