Clique e assine por apenas 6,90/mês
Randômicas Por Juliene Moretti Tudo sobre música, clipes, entrevistas e novidades dos shows.

Garoto do Cazaquistão faz música ressurgir e viralizar no Tiktok

Com remix ilegal, Imanbek deu nova cara a faixa de 2016

Por Juliene Moretti - 17 jul 2020, 18h32

Durante a quarentena, a galera se rendeu ao Tiktok. Quem ainda não entrou na brincadeira, deve ter pelo menos dado uma espiadinha. Da rede, estão surgindo alguns dos hits da temporada, como é o caso de Desce Pro Play, do MC Zaac e Anitta. Tem uma, no entanto, que chamou mais atenção pelo mundo: Roses, de Saint Jhn, com o remix de Imanbek, que entrou nos rankings de mais ouvidas da Billboard e nas plataformas de streaming nestes últimos meses.

+ Assine a Vejinha a partir de R$ 6,90 mensais

A faixa de R&B, lançada em 2016, não foi lá um grande hit na época. Não chegou aos top 40 da Billboard e tinha uma carga para lá de dramática. No ano passado, a composição ganhou mais uma chance e ressurgiu pelas mãos de Imanbek, garoto de 19 anos e morador de um vilarejo no Cazaquistão.

O rapaz colocou batidas de música eletrônica com pegada mais dançante e distorções na voz do rapper. O resultado foi jogado em uma rede social russa. Em recente entrevista ao NYTimes, ele conta que fez tudo de forma ilegal mesmo e ficou surpreso com a repercussão, meses depois da sua divulgação.

Continua após a publicidade

 

Saint Jhn comemorou o retorno da faixa para as paradas e chegou a fazer shows pela Rússia, só por causa dela. Ele e Imanbek não se conhecem pessoalmente, mas têm trocado mensagens via Instagram.

Imanbek conta na entrevista que estudava engenharia ferroviária e trabalhava na estação de seu vilarejo, Aksu. Conseguiu largar o emprego e se dedicar à carreira de produtor depois da boa performance da criação, uma das queridinhas da quarentena no Tiktok.

Sem saber discotecar ainda, as apresentações ao vivo, mesmo que on-line, não devem acontecer. Mas ele continua lançando remixes, como I’m Just Feelin’, produzidos em seu computador de dez anos de uso. O desafio agora, afirma, é mostrar para o mundo que não é artista de um hit só. Aguardamos a próxima coreografia.

Continua após a publicidade
Publicidade