50 Bares

Wall Street Bar: sujeito a oscilações

Na casa, o preço das bebidas sobe ou desce conforme o número de pedidos

Por: Fabio Wright - Atualizado em

wall street bar
O salão do piso superior: mesas equipadas com tela touch screen (Foto: Raul Zito)

Inspirado em endereços de Barcelona, Berlim e Tóquio, o Wall Street, no Itaim, nasceu com um curioso propósito: simular dentro de um bar, com base na venda de bebidas, a oscilação das ações em uma bolsa de valores. Um software exclusivo faz o preço das cervejas e caipirinhas subir ou descer conforme a demanda. Na primeira visita, no dia 9, o sistema não funcionou. Uma nova ida ao bar, dois dias depois, mostrou sua efi cácia. A cerveja Serramalte, por exemplo, cujo preço-base é R$ 7,50, já chegou a variar de R$ 4,00 a R$ 12,00 em noite de casa cheia.

Aberto no começo de dezembro, o lugar atrai, sobretudo, jovens bem de vida. Garotões de gel no cabelo e meninas que não dispensam o salto alto ocupam os dois pavimentos, um deles com sala de bilhar anexa. O.k., falta glamour à decoração interna, mas a fachada de 8 metros de altura impressiona. Ali, junto a um agradável terraço, encontra-se um touro de fi bra de vidro, menção à célebre escultura Charging Bull, localizada nas proximidades de Wall Street, em Nova York. Outra ideia bacana está nas 26 mesas equipadas com tela touch screen. Com um simples toque, pode-se consultar o cardápio, fazer o pedido ou acompanhar a cotação das bebidas. A cozinha, ponto fraco, solta petiscos pouco apetitosos e de apresentação descuidada. Uma das opções, o panini de carpaccio custa R$ 18,00. Para descontrair, fi que nas cervejas (Brahma e Skol, ao preço-base de R$ 6,10; Original e Bohemia, R$ 7,50; Norteña e Patricia, R$ 20,00) ou peça uma caipirinha de uva itália com vodca nacional (R$ 18,00).

Wall Street. Rua Jerônimo da Veiga, 149, Itaim Bibi, ☎ 3873-6922. 18h/1h (sex. e sáb. até 2h; fecha dom.). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/manobr. (R$ 15,00).

Fonte: VEJA SÃO PAULO