Passeio

Rota da cerveja: visitas guiadas a fábricas artesanais estão em alta

Há opções nos arredores da capital e no interior 

Por: Bruno Leuzinger

Hérik Mourão cerveja
Hérik Mourão: despedida de solteiro em Ribeirão Preto (Foto: Rogerio Albuquerque)

Nos dois primeiros filmes da trilogia Se Beber, Não Case!, despedidas de solteiro viram pretexto para noites tresloucadas em Las Vegas e Bangcoc. Sem exagerar tanto na dose, o publicitário Hérik Mourão, 35 anos, escolheu um roteiro etílico para festejar às vésperas do seu casamento. O destino foi Ribeirão Preto, a 315 quilômetros da capital. Em junho, poucos dias antes de subir ao altar, ele e seis amigos fizeram um tour de van por seis cervejarias da cidade. O passeio, realizado em um sábado, incluiu degustação de bebidas tiradas diretamente dos tanques de maturação e prova de ingredientes que compõem a fórmula. “Uma das partes mais marcantes foi experimentar o lúpulo e o malte”, conta o publicitário.

+ 25 restaurantes para comemorar o Dia dos Pais

Mourão é um dos paulistanos que estão embarcando nesse tipo de viagem. As opções de turnês por microcervejarias nos arredores da capital e no interior vêm se multiplicando, na esteira do crescimento da oferta desses produtos. Famosa pelo chope, Ribeirão Preto viu triplicar na última década o número de pequenos fabricantes — hoje, são nove, incluindo uma filial da paulistana Cervejaria Nacional, inaugurada no fim de julho.

Uma das pioneiras por lá é a Invicta, que produz rótulos como 1000 IBU e 6 O’Clock. Já que esses produtos são distribuídos em bares e lojas da capital, muita gente daqui fica curiosa por beber diretamente da fonte. “Até o ano passado, eu organizava um passeio guiado a cada dois ou três meses, mas a procura tem sido tanta que, desde janeiro, isso passou a ser mensal”, afirma Carla Valentim, criadora do projeto Tour Cervejeiro.

TOUR  CERVEJA
Carla Valentim: tours mensais (Foto: Leo Martins)

Ex-assistente de marketing da Colorado (a fábrica mais célebre do pedaço, comprada pela Ambev em julho de 2015), a profissional já conduziu 350 pessoas desde junho de 2014, quando criou o serviço. Cerca de 60% vieram da capital. Ao longo do passeio, provam-se vinte rótulos. As próximas saídas serão nos dias 19 e 20 de agosto, fim de semana da inauguração da nova fábrica da Invicta (custo a partir de 140 reais).

Para quem acha Ribeirão muito distante, uma boa notícia: a cervejaria Mea Culpa, em Cotia, abrirá as portas ao público em 4 de setembro. A fábrica existe desde 2015, mas só agora passará a promover tours. Durante a visita, a consultora Júlia Reis conduzirá a degustação dos cinco rótulos, batizados com nomes de pecados capitais, como a witbier Preguiça e a imperial stout Luxúria. Os roteiros serão mensais, com ingressos de 30 e 130 reais. Outras cervejarias do estado também recebem visitantes, entre elas a Baden Baden, em Campos do Jordão, a Dama Bier, em Piracicaba, e a Fritz, em Monte Verde. Nesses casos, o agendamento é feito sem intermediários.

+ Eataly vende sanduíches e chope na calçada

Os fãs das geladas premium também têm viajado para os destinos tradicionais no mundo, como Bélgica, República Checa e Alemanha. No início do ano, operadoras como CVC e Latam Travel passaram a organizar roteiros a cervejarias nesses países, sob encomenda. Aproximar o turista entusiasta da fonte de sua paixão é a proposta de Claudio Oliveira, sócio- fundador da Cervejolândia, que desde 2014 organiza expedições do gênero à Europa. A próxima está marcada para setembro e deve passar por oito mosteiros trapistas na Bélgica e na Holanda (o pacote de doze dias custa 2 950 dólares, com passagem e hotel). Estão incluídas visitas a pontos turísticos na parte da manhã, mas nada muito cedo. “Afinal, a gente toma cerveja, e o corpo precisa descansar”, brinca ele.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Tour Cervejeiro, (16) 98178-7722.

Cervejolândia, 96404-6025.

Mea Culpa, 4614-6511.

Fonte: VEJA SÃO PAULO