acidente

Em vídeo, homem incentiva menino que perdeu o braço a alimentar leão

Novas imagens divulgadas por site de Cascavel mostram voz  encorajando Vrajamany a dar ossos de galinha ao felino. Delegado solicitou as imagens para verificar se são uma montagem

Por: Redação VEJASÃOPAULO.com - Atualizado em

Um novo vídeo divulgado pelo site Catve.com mostra o menino Vrajamany Rocha, de 11 anos, alimentando o leão do Zoológico de Cascavel, no Paraná, com ossos de frango. Ao fundo, aparece uma voz masculina encorajando o garoto a fazer isso.

Vrajamany, que mora em São Paulo, teve o braço direito amputado após ser atacado por um tigre no zoológico. As novas imagens foram gravadas antes de Vrajamany seguir para a jaula do tigre e ser mordido pelo animal. 

O site diz que a voz é de Marcos do Carmo Rocha, e uma voz de criança pequena seria do irmão caçula de Vrajamany.

Não há, porém, nenhuma evidência de que isso seria verdade. O advogado da famíla Rocha não foi encontrado até agora para comentar o caso. Dênis Merino, delegado responsável pelo caso, disse a Veja São Paulo que solicitou o vídeo para verificar se não se trata de uma montagem.

+ Meu pai não teve culpa, diz garoto que teve braço amputado

A cena começa com Vrajamany de cócoras, já colocando a mão dentro dentro da jaula do leão. "Dá a patinha", dizia o homem. Uma mulher elogia o feito, chamando o garoto de "corajoso". Um garoto mais novo supostamente retruca dizendo que também não tem medo do leão. "Seu irmão te proteje, não é, filho?", pergunta o homem. 

O filho mais novo de Marcos o acompanha no zoológico, mas também não há evidências de que se trate dele no vídeo.

Vrajamany segue colocando os dedos pelas brechas da jaula repetidas vezes e, em um dado momento, o leão avança um pouco. O homem segue orgulhoso. lá seu irmão, ó". O garoto tira um osso do bolso da bermuda e oferece ao animal. "Dá, dá, dá, filho. Dá", incentiva. Vrajamany diz que o leão não vai pegar. "Ele não vai pegar, mas vai se divertir", devolve o homem. O animal permanece quieto e com olhar fixo para o garoto na maior parte do tempo, mas ruge em certo momento. 

O caso aconteceu no dia 30 de julho. O menino mora em São Paulo com a mãe e o padrasto. Estava no Paraná com o pai para visitar o irmão mais novo.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO